Super-Porta-Aviões ou super-barreiras: Como uma obsessão ultrapassada está limitando a capacidade naval dos EUA

Super-Porta-Aviões ou super-barreiras: Como uma obsessão ultrapassada está limitando a capacidade naval dos EUA


Super-Porta-Aviões ou super-barreiras: Como uma obsessão ultrapassada está limitando a capacidade naval dos EUA


Por Andrew Kraskewicz*


Com onze super-porta-aviões em operação na Marinha americana, um único míssil inimigo bem direcionado pode potencialmente eliminar quase 10% do poder aeronaval do país.

Os Estados Unidos são o único país a empregar super-porta-aviões em sua marinha. Também possui muito mais embarcações do tipo do que outros países, com um total de 11 super-porta-aviões em serviço a qualquer momento. Esses ativos têm um custo unitário de mais de US$ 13 bilhões para serem construídos, e os custos de manutenção e pessoal são altos. Este é um alto preço para um tipo de embarcação que está cada vez mais vulnerável em um mundo caracterizado por uma renovada competição de grandes potências. Em vez de construir 10 novos super porta-aviões da classe Gerald R. Ford, a Marinha dos EUA se beneficiaria com a construção de apenas cinco. O dinheiro economizado poderia então ser reinvestido em outras capacidades, particularmente navios de assalto anfíbio da classe América, configurados em porta-aviões leves.

Existem atualmente dois porta-aviões da classe Gerald R. Ford, dois em construção e um encomendado. A Marinha dos EUA não deve encomendar os cinco restantes que estão planejados. Os porta-aviões da classe Ford transportam 75 aeronaves e cerca de 4.500 tripulantes, em comparação com cerca de 25 aeronaves e entre um e três mil militares na classe América. Possuir cinco super-porta-aviões, complementados por cerca de 24 navios da classe América, é um uso mais eficiente de recursos, é mais adequado a um ambiente de grande competição de poder e oferece maior flexibilidade operacional.

O primeiro benefício da redistribuição de recursos navais é a redução de custos. A classe América tem um custo unitário de cerca de US$ 3,5 bilhões. Isso significa que para cada navio classe Ford planejada que não é construído, três navios da classe América podem ser fabricados, restando ainda US$ 2,5 bilhões de dólares. Até agora, 11 desses navios já estão planejados. A classe America ainda possui a capacidade de transportar e lançar até 25 AV-8B Harrier II ou um número similar de F-35 Lightning II, bem como MV-22B Osprey e uma variedade de outros helicópteros.

Normalmente, a classe América vem equipada com um grandes instalações para implantar até 1.800 fuzileiros navais em operações terrestres, embora isso ocorra às custas das aeronaves. Em vez disso, quando formatado para poder aéreo máximo, a classe América carrega quase o mesmo número de aeronaves que o porta-aviões russo Almirante Kuznetsov. No geral, trocar uma classe Ford por três navios da classe América não reduz o poder aéreo naval dos EUA: ele distribui esse poder por vários porta-aviões.

Essa dispersão de aeronaves significa que os navios classe América são mais adequados para uma era de grande competição de poder. Os super-porta-aviões são um grande alvo, e a perda de um deles impacta significativamente o poder naval americano e pode alterar drasticamente o equilíbrio das forças dos EUA em uma região em comparação com um adversário. Essa vulnerabilidade não era um problema quando os Estados Unidos travavam guerras contra adversários sem marinhas ou sistemas de mísseis de longo alcance. Agora, muitos dos rivais dos Estados Unidos possuem marinhas próprias, bem como poder aéreo significativo e capacidades de mísseis que podem ser usados ​​contra os navios. Por exemplo, os chineses têm mísseis balísticos antinavio com alcance efetivo em torno de 1.500 quilômetros; mais do que suficiente para atingir um porta-aviões. Os super-porta-aviões são simplesmente valiosos demais para arriscar perder e, portanto, têm um papel limitado em um conflito hipotético com um estado poderoso.

Terceiro, os navios da classe América oferecem mais flexibilidade operacional. Ao dividir o poder aéreo naval dos Estados Unidos entre super porta-aviões e um número maior de navios de assalto anfíbio configurados como porta-aviões leves, a Marinha dos EUA poderá manter mais porta-aviões no mar. Isso permite que os EUA respondam dinamicamente a ameaças próximas em vários teatros, sem se preocupar que um ASBM bem direcionado acabe com 10% do poder aéreo naval do país. Ao manter super-porta-aviões e porta-aviões leves, os EUA ainda poderão responder a grandes ameaças com porta-aviões maiores, mas responder a ameaças menores com embarcações proporcionalmente menores. O resultado geral é uma aplicação mais eficiente do poder aéreo naval em uma área geográfica muito maior, o que é sem dúvida útil, dado o contexto geopolítico em mudança.

No entanto, este plano não vem sem compensações. A classe América conta com aeronaves com capacidades de decolagem curta e pouso vertical (STOVL), limitando-se essencialmente ao transporte de Harrier e F-35B. Isso pode exigir a aquisição de F-35B adicionais para preencher totalmente a frota de navios da classe América. No entanto, esta é apenas uma pequena compensação, uma vez que o custo de F-35B adicionais pode ser pago com o dinheiro economizado pelo cancelamento de cinco porta-aviões da classe Ford. Como a Marinha planeja eliminar gradualmente o F/A-18 em favor do F-35, simplesmente distribuí-los por mais navios não representa uma mudança significativa na política atual de aquisição de aeronaves.

Alguns também podem argumentar que reduzir pela metade a impressionante frota de super porta-aviões prejudicaria a reputação da Marinha de ser incomparável. No entanto, dado o fato de que os navios da classe América são aproximadamente do mesmo tamanho que os porta-aviões de nossos adversários, ter algumas dúzias deles no mar é bastante impressionante.

Cancelar os cinco porta-aviões restantes da classe Ford liberaria US$ 65 bilhões em dinheiro para compras navais. Esse dinheiro poderia ser gasto em aproximadamente 13 navios de assalto anfíbio classe América adicionais configurados como pequenos porta-aviões, e a Marinha ainda teria cerca de US$ 19 bilhões de dólares restantes. A natureza do conflito está mudando. Se a Marinha dos EUA estiver disposta a mudar com ela, os Estados Unidos continuarão sendo uma superpotência global nas próximas décadas.



Artigo publicado no TGP The Geopolitics.


Fonte: 

Velho General


Tags

Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();