A lógica da política externa dos EUA

política externa dos EUA


A lógica da política externa dos EUA


Desde a Segunda Guerra Mundial, e especialmente desde 1990, a supremacia econômica e militar dos Estados Unidos levou o país a assumir o papel de um império moderno.


Temos cerca de cinco ou dez anos para limpar esses antigos regimes de clientes soviéticos – Síria, Irã, Iraque – antes que a próxima grande superpotência venha nos desafiar.” – Chefe de política do Pentágono, Paul Wolfowitz, ao general Wesley Clark em 1991 (FORA).


Como a política externa dos EUA pode ser explicada de forma sistemática e racional? O gráfico a seguir – baseado em um modelo desenvolvido pelos professores de ciência política David Sylvan e Stephen Majeski – revela a lógica imperial de longa data por trás das intervenções diplomáticas e militares dos EUA em todo o mundo.



Devido à sua supremacia econômica e militar, os Estados Unidos vêm assumindo o papel de um império moderno desde a Segunda Guerra Mundial e especialmente desde 1990. Esse status implica uma lógica de ação muito específica e genuinamente imperial para sua política externa (veja a figura acima).

A distinção central (nº 1 na figura acima) da perspectiva de um império é aquela entre estados clientes e não clientes. O conceito de estado cliente remonta ao tempo do Império Romano e denota estados que são basicamente autogovernados, mas, no entanto, alinham sua política externa e de segurança e sua sucessão de governo com o império.

No caso de estados clientes existentes (lado esquerdo do diagrama), o império deve decidir entre administração de rotina (B – por exemplo, Suíça e Áustria), apoio militar ou não militar (por exemplo, econômico) (D a I – por exemplo, Colômbia e Paquistão), ou uma tentativa de substituir democraticamente ou militarmente governos clientes inaceitáveis ​​(A – por exemplo, Grécia 1967, Chile 1973). Em certos casos, um governo cliente não pode mais manter o poder apesar do apoio imperial e deve ser derrubado, ou o estado cliente deve ser abandonado completamente (CFG – por exemplo, Vietnã do Sul 1975 ou Irã 1979).

No caso de estados não clientes (lado direito do diagrama), a situação é bem diferente. Se uma região entrar recentemente em sua esfera de influência, o império tentará primeiro adquirir seus membros pacificamente como estados clientes (J). Este foi o caso, por exemplo, na Europa Oriental e nos Estados Bálticos após 1990.


A expansão oriental da OTAN (CFR/OTAN).


Se, por outro lado, um estado se recusa a se tornar um estado cliente, mais cedo ou mais tarde ele se torna um estado inimigo. Isso porque, apenas por sua independência e autonomia, ela põe em questão a pretensão de hegemonia do império e, assim, ameaça sua estabilidade interna e externa, pois um império que não pode mais afirmar sua hegemonia se desintegrará. Dessa forma, a maioria dos impérios desliza para uma compulsão quase inevitável de expansão, que no final afetará até mesmo estados fundamentalmente pacíficos.

No caso de estados inimigos, o império deve primeiro decidir se uma ação militar é promissora ou não (nº 11). Caso contrário, o império possivelmente iniciará negociações e, dependendo das chances de sucesso, encerrará o status de inimigo (K) ou imporá sanções ou lutará por uma mudança de regime (civil) (L).

Exemplos típicos dessa situação são atualmente o Irã, a Coreia do Norte, a Rússia e cada vez mais a China. Não é coincidência que a maioria desses estados possua ou esteja lutando por armas nucleares, porque somente assim a mudança decisiva nº 11 pode ser mudada permanentemente de cenários militares para não militares. Outro fator importante é a disponibilidade de matérias-primas essenciais como petróleo e gás, pois sem elas não será possível manter a independência no longo prazo.

A principal preocupação com as matérias-primas, portanto, não é que o império queira possuí-las diretamente – afinal, mesmo estados inimigos como a ex-URSS, a Rússia moderna, o Irã, a Líbia ou a Venezuela sempre venderam suas matérias-primas para o Ocidente – mas que as matérias-primas conferem independência e influência aos estados inimigos, o que por si só constitui uma ameaça do ponto de vista imperial e hegemônico.

Se, por outro lado, o império julga uma ação militar promissora, a questão seguinte é se o Estado inimigo ou seu governo tem ou não legitimidade internacional (nº 13). Se sim, uma intervenção hostil secreta deve ser preparada, se não, uma intervenção hostil aberta é possível. Em muitos casos, sua forma autocrática de governo pode ser usada para negar legitimidade internacional aos estados inimigos.


Líbia e Síria/Líbano foram os últimos países mediterrâneos que não eram membros da Parceria Mediterrânea da OTAN (em vermelho) e, em vez disso, queriam seguir sua própria política regional (OTAN).

Intervenções hostis encobertas incluem, em particular, um golpe de estado (M – por exemplo, Irã 1953, Egito 1956) e apoio secreto a rebeldes (N – por exemplo, Afeganistão 1979ff) ou grupos de exilados (O – por exemplo Cuba 1961ff). Estas são, em geral, operações clássicas de inteligência.

No caso de intervenções hostis abertas, o primeiro passo é determinar se um estado inimigo já está envolvido em um conflito, se insurgentes locais estão presentes e se são necessárias tropas terrestres próprias. Os resultados possíveis incluem ataques assimétricos (aéreos) (Q – por exemplo, Sérvia 1999), apoio aos rebeldes (R – por exemplo, Síria 2011ff), uma invasão direcionada (S – por exemplo, Iraque 2003), ou uma guerra em grande escala (P – por exemplo, Alemanha 1941-45, Coréia 1950-51).

A lógica imperial é fundamentalmente independente do respectivo governo dos EUA. No entanto, diferentes governos podem chegar a conclusões diferentes sobre as perspectivas de sucesso da ação militar (nº 11) e negociações diplomáticas (nº 12), as vantagens de operações abertas versus secretas (nº 13), a aceitação de regimes de clientes existentes (nº 2), e apoio político interno à intervenção militar (E).

A lógica descrita acima também implica as principais funções geopolíticas da mídia de orientação imperialista, a saber, a deslegitimação de estados inimigos ou seus governos (nº 13), o apoio de operações hostis abertas e ocultas (nº 14 a nº 18), a justificação de sanções e mudanças de regime (L), bem como auxiliar a liderança imperial (B) e a deposição de regimes de clientes indesejados (A).

É importante notar, no entanto, que a crescente variedade de meios de comunicação independentes disponíveis na Internet torna cada vez mais difícil um retrato coerente da mídia das intervenções imperiais. Este é um desenvolvimento bastante novo cujos efeitos sobre a política imperial ainda não são totalmente previsíveis.


Assista ao vídeo: General aposentado dos EUA Wesley Clark fala sobre a estratégia “sete países em cinco anos” (2007).

Veja aqui o vídeo com a entrevista completa: Gen. Wesley Clark Weighs Presidential Bid: “I Think About It Every Day”.


Explicações tradicionais

A lógica da política externa americana de Sylvan e Majeski oferece uma explicação consistente para as intervenções americanas das últimas décadas. As explicações usuais – tanto dos proponentes quanto dos opositores dessas guerras – devem, no entanto, ser vistas principalmente como pretextos, racionalizações ou, na melhor das hipóteses, aspectos parciais, como mostra o panorama a seguir.

1. Defender a democracia e os direitos humanos: Essa justificativa clássica não é muito convincente, pois governos democráticos foram derrubados (AMN), autocratas foram apoiados (EI), direitos humanos e direito internacional foram violados ou violações foram toleradas pelos EUA;

Assista ao vídeo: General aposentado dos EUA Wesley Clark fala sobre a estratégia “sete países em cinco anos” (2007).

Veja aqui o vídeo com a entrevista completa: Gen. Wesley Clark Weighs Presidential Bid: “I Think About It Every Day”.



Explicações tradicionais


A lógica da política externa americana de Sylvan e Majeski oferece uma explicação consistente para as intervenções americanas das últimas décadas. As explicações usuais – tanto dos proponentes quanto dos opositores dessas guerras – devem, no entanto, ser vistas principalmente como pretextos, racionalizações ou, na melhor das hipóteses, aspectos parciais, como mostra o panorama a seguir.

1. Defender a democracia e os direitos humanos: Essa justificativa clássica não é muito convincente, pois governos democráticos foram derrubados (AMN), autocratas foram apoiados (EI), direitos humanos e direito internacional foram violados ou violações foram toleradas pelos EUA;

2. Combate ao terrorismo: Grupos paramilitares – incluindo organizações islâmicas – são usados ​​há décadas pelos EUA para eliminar regimes opostos (N e R);

3. Ameaças ou agressões específicas contra os EUA: em retrospecto, a maioria desses cenários acabou sendo incorreta ou inventada (nº 13; por exemplo, reivindicações de Tonkin, incubadora e armas de destruição em massa);

4. Matérias-primas (especialmente petróleo e gás): Mesmo os estados inimigos geralmente querem vender suas matérias-primas para o Ocidente, mas são impedidos de fazê-lo por meio de sanções ou guerra. Isso porque, do ponto de vista imperial, sua independência e influência são vistas como uma ameaça:

a- A guerra do Iraque foi por causa do petróleo? Dificilmente. Já antes de 2003, o Iraque fornecia seu petróleo principalmente para o Ocidente; o setor petrolífero iraquiano não foi privatizado após a guerra, e licenças de produção também foram emitidas para corporações na França, Rússia e China (que se opuseram à guerra);

b- A guerra na Síria foi sobre gasodutos? Não (veja aqui e aqui). Os planos de mudança de regime e guerra contra a Síria geopoliticamente independente existiam há décadas e deveriam ser implementados durante a chamada “Primavera Árabe” (Veja também um comentário do presidente sírio);

c- A guerra do Afeganistão foi sobre um gasoduto de gás natural? Não. O Talibã estava e está interessado no gasoduto TAPI, mas não aceitou as exigências políticas e militares dos EUA;

d- A guerra da Líbia foi sobre reservas de petróleo? Não. A Líbia já era um dos mais importantes fornecedores de petróleo da Europa sob Kadafi, e a segurança do abastecimento diminuiu significativamente desde a guerra. A Líbia, no entanto, seguiu uma política independente e abrangente para a África – financiada por sua riqueza petrolífera – que colidiu com os planos dos EUA e da França;

e- A mudança de regime iraniana em 1953 foi sobre a nacionalização do petróleo? Não. Os EUA tentaram mediar a disputa petrolífera entre britânicos e iranianos e instaram os britânicos a se comprometerem. Somente quando o primeiro-ministro iraniano Mossadegh cooperou com o Partido Comunista Tudeh e abriu o país para a União Soviética, a CIA interveio. O petróleo iraniano, no entanto, permaneceu nacionalizado mesmo após o golpe;

f- Sobre o que foi a tentativa de golpe de 2019 na Venezuela? Veja Venezuela: não se trata de petróleo.

g- As energias renováveis ​​poderiam resolver o problema das matérias-primas? Dificilmente, porque as energias renováveis, as tecnologias de armazenamento e a eletrônica de alta tecnologia exigem metais de terras raras, 97% dos quais são atualmente produzidos pela China, e minerais de áreas de conflito, como o coltan do Congo.

5. O “petrodólar”: A tese do petrodólar foi desenvolvida durante a guerra do Iraque. No entanto, o significado do dólar dos EUA não deriva do petróleo, mas do poder econômico dos EUA. Embora muitos estados prefiram naturalmente o dólar estável para suas exportações de matérias-primas, os estados inimigos geralmente precisam mudar para outras moedas para contornar as sanções (L, por exemplo, Irã);

6. Capitalismo: Em 1917, Lenin descreveu o “imperialismo como o estágio mais alto do capitalismo”, já que os estados capitalistas teriam que conquistar mercados para sua superprodução. No entanto, mesmo estados inimigos querem negociar com o Ocidente, mas são impedidos de fazê-lo por sanções ou guerra. Além disso, estados pré-capitalistas como Roma e Espanha e até estados anticapitalistas como a União Soviética já haviam travado guerras imperiais;

7. Dívida nacional: A dívida nacional também não é motivo para guerras dos EUA, pois os EUA estão criando seu próprio dinheiro usando o Fed. Além disso, as próprias guerras contribuem imensamente para as despesas nacionais;

8. Indústria de armas: Em 1961, o presidente dos EUA, Eisenhower, alertou para a crescente influência do “complexo militar-industrial”. Este último é certamente um dos principais aproveitadores das guerras, mas isso vale também para países como Rússia, China, Suécia e Suíça. Além disso, as guerras dos EUA não são arbitrárias, mas seguem uma certa lógica; afinal, nem mesmo o Império Romano conduzia suas guerras apenas para produzir o maior número possível de armas;

9. O “Lobby de Israel”: Este aspecto foi enfatizado no livro de mesmo nome dos professores Walt e Mearsheimer. O governo israelense e organizações pró-israelenses, como a AIPAC, fizeram lobby pela Guerra do Iraque de 2003 e por uma guerra contra o Irã. Como potência hegemônica, porém, os EUA devem intervir desde o Leste Asiático até a África Central e América do Sul, e mesmo as guerras no Oriente Médio seguem uma lógica superordenada (Mais: The “Israel Lobby”: Facts and Myths);

10. Neoconservadores: Outra hipótese propõe que as guerras dos EUA são impulsionadas pelos chamados neoconservadores. Essa ideia é refutada, por exemplo, pelas inúmeras guerras iniciadas ou continuadas pelas administrações liberais Clinton e Obama (Iugoslávia, Somália, Síria, Iêmen etc.).


Fonte: 

Velho General

Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();