Grand Power K100: Uma eslovaca com um canhão rotativo

Grand Power K100 Uma eslovaca com um canhão rotativo

Grand Power K100 - Uma eslovaca com um canhão rotativo


A pistola Grand Power K100 é ideia de Jaroslav Kuracina, um engenheiro que trabalhou para CZ Brno até fazer sua própria arma. Essa pistola, inicialmente chamada de K1 e que ficou conhecida como K100 depois que uma delas ultrapassou 100.000 tiros sem quebras ou folgas excessivas, logo provou sua força e qualidade de construção.
 

Pistola Grand Power K100 lista para el disparo
 
Não é minha intenção fazer uma pesquisa histórica neste artigo, simplesmente para contar minhas impressões sobre a arma e o teste que tive a oportunidade de fazer. Recentemente recebi um Grand Power K100 das mãos de seu feliz dono, meu grande amigo Alejandro Gallo (que mora em Arrecifes, a cerca de 150 km da minha cidade), com quem compartilho minha paixão por armas há mais de 16 anos. Alejandro generosamente disponibilizou este K100 para mim (quase um estranho em meu país) e me deu a oportunidade de experimentá-lo ao meu gosto.

 
A apresentação é austera mas cumpre o seu objetivo
 

O lindo

 
O Grand Power K100 vem em uma caixa de plástico que achei um pouco rústica em termos de apresentação, um manual de instruções, uma baqueta e um carregador sobressalente. À primeira vista, achei este K100 esteticamente muito agradável, de volume normal, não maior que meu G22 e um pouco mais grosso que um Browning GP35 . Com um peso próximo a 750g vazio e um carregador de 17 tiros que fornece grande poder de fogo, este K100 tem ergonomia perfeita para minha mão média. A arma se encaixa perfeitamente em mim e seu peso é bom. 

slide é projetado com linhas inclinadas para facilitar a remoção das mangas com pouca chance de prender. A arma parece sólida. Um tratamento do tipo Tennifer na lâmina confere uma excelente resistência à oxidação. Está visivelmente gravado com a marca e modelo, bem como a numeração da arma.

Os botões de segurança e o botão de liberação do carregador são ambidestros, facilitando seu uso por canhotos. Além da segurança da asa, possui percussão automático e segurança do martelo exposta, com os clássicos dois pontos de retenção para a trava, a posição "montada" e "meio ponto". 

A armação é feita de polímero e está embutida com um berço de aço que suporta o sistema de disparo, as guias deslizantes e um ferrolho onde o cano funciona em sua rotação. A robustez da arma é evidente de onde você olha para ela. As vistas, fixas, estão corretas e de boas dimensões. A mira traseira é protegida por semicírculos em cada lado que a protegem de solavancos e deformações, e o painel é adequado para tiro de precisão e velocidade.

Todo o conjunto de elementos de mira é substituível e montado em uma cauda de andorinha. A elevação transversal e o painel frontal com pino de retenção, tornam o conjunto substituível sem maiores problemas. De acordo com o manual, ele consiste em "apenas" 54 peças, então certamente não é um dos que tem menos peças, mas não é um dos que tem mais.

 
Desmontagem básica da pistola Grand Power K100
 

Desmontagem

 
Desde o início, a primeira coisa que fiz foi desmontar e esmagar ao meu gosto. Para desmontá-lo, é necessário puxar para baixo a parte frontal do guarda-mato e retirá-lo do assento (como o PPK e derivados). 

Parece-me que este sistema depende absolutamente da resistência do polímero na zona posterior do guarda-mato, visto que o esforço ocorre onde se junta à empunhadura, não possuindo articulação ou dobradiça que permita ao guarda-mato rodar sem exigir a o polímero. 

Apesar de esta peça ser destacável, ela é fixada ao conjunto por um pino, podendo ser removida e eventualmente recolocada; mas não é simples e tem parte do mecanismo de ejeção do magazine dentro. Me dá a sensação de que é muito desmontar fazer essa operação.

 
Alejandro apontando a pistola K100

 
Uma vez que a parte frontal do guarda-mato é abaixada, o conjunto cano-corrediça desliza para frente e temos a arma desmontada para limpeza. O guia da mola de recuo é um escravo da estrutura (por isso não se perderá, suponho). Girando o cano um pouco, ele se desprende da lâmina permitindo que seja removido da parte traseira da lâmina com apenas um leve empurrão da câmara. 

O canhão é claramente impressionante. É uma peça de elaboração muito delicada com usinagem muito precisa, já que nela se baseia o sistema de rotação. Os pulsos da corrediça onde o cano se encaixa no mecanismo de travamento também são muito fortes, com duas peças de aço soldadas com muito cuidado e com uma aparência muito robusta.


Montado

A operação de montagem da arma é um pouco complexa, mas uma vez que você a aprenda, não haverá maiores problemas. O cano deve ser colocado na posição mais para a frente, deslize o slide pela frente da estrutura certificando-se de que ele se encaixa nas guias e que a mola e sua guia mantêm a posição correta, empurre o slide até seu ponto mais recuado e coloque o guarda-mato. 

Na sua acomodação, deixando a arma pronta para o uso. Este é outro ponto que não me convenceu muito (costumava "clicar e ir" montagens) mas reconheço que a minha inexperiência na montagem da arma contribuiu um pouco para esta opinião, pois quando o fizemos algumas vezes mais o que era não é tão complicado.

 
Imagem do K100 extraindo o pod já disparado

 
Funcionamento

 
Como já dissemos, a arma funciona com o cano giratório. Quando na posição avançada, a arma está travada. Quando ocorre o tiro, o conjunto slide-cano recua uma pequena distância de aproximadamente 3mm e então o cano gira, desfazendo o bloqueio e permitindo que o slide vá em direção ao seu ponto mais distante, removendo a caixa disparada. 

Tudo isso comprimindo a mola de recuo que fará o slide avançar, retirando um novo cartucho do carregador e inserindo-o na câmara. Por fim, o cano gira novamente, travando a montagem e ficando pronto para o próximo tiro.

 
Ambos os lados do cano são claramente visíveis
Diferentes posições do cano do K100
 

O cânone

 
Uma das partes principais do K100 e a força vital do sistema rotativo é seu barril. Uma maravilha construtiva que conta com uma usinagem muito cuidadosa e precisa. Possui um sulco sem bordas pronunciadas, bastante liso. Vou tentar descrever esta joia da mecânica do armeiro para você. Na área da culatra, o cano é consideravelmente mais grosso do que o resto de seu comprimento. 

Este se estende para frente por aproximadamente 30mm, então é interrompido tomando a mesma largura do resto do tubo e cerca de 16 / 18mm em direção à boca tem outra projeção (como se o tubo do cano estivesse passando por uma arruela grossa) que é a peça que oficia. parafuso. No topo, ambas as espessuras são tornadas ásperas de forma que fiquem planos no topo. Eles não têm um arco para completar o círculo ao redor do cânion.

 
Agrupamentos aceitáveis ​​em precisão e velocidade a 15m
 
Na parte inferior da câmara é esculpido um plano helicoidal (como se fosse uma seção de broca), que girará no parafuso que está no berço de metal embutido na estrutura, permitindo que ele gire para abrir e fechar o bloqueio. A carcaça do parafuso é muito robusta e espessa. A arma não parece ter pontos fracos em termos de resistência mecânica de seus metais.

Impressões de tiro

A arma se comporta de forma "estranha" devido ao sistema de rotação. Para quem (como é o meu caso) acostumado aos canos basculantes, ao invés de chutar tende a girar, sendo muito suave e fácil de controlar. Dupla ação(DA) é muito suave e sem peso excessivo, assim como o deslocamento não é muito longo para um DA, mas é na SA que esse K100 faz a diferença. Tem um gatilho que, sem ser extremamente leve, é muito macio e seco. Essa é uma das coisas que eu realmente gostei na arma. Eu dei muitos tiros, tanto em velocidade quanto em precisão.

A arma sempre se agrupou perfeitamente, não tinha defeitos de nenhum tipo e se não melhorava era da responsabilidade absoluta do atirador e não por falta de condições técnicas para o fazer. Uma peculiaridade é que quando trocamos o pente, colocamos o novo até travar e depois batemos com a mão para fazer caber, a corrediça se solta da trava, fechando a arma e deixando-a pronta para disparar. Você só precisa bater na base do carregador com um pouco mais de força do que o normal.

 
O problema e a solução; pequeno mas preocupante
 

O pior

 
Uma das coisas que preocupava a mim e ao seu dono era o fato da base dos pentes ser de polímero e esse K100 quebrou uma dessas bases quando o pente caiu da mão com 5 cartuchos dentro. O problema foi resolvido usando uma base de folha de metal de uma revista Browning GP35. 

Isso resolveu o problema e funciona muito bem, mas nossas cabeças estão cheias de perguntas. Se o polímero da base do pente é igual ao da armadura da pistola, quanto tempo durará se o outro se partir com um pequeno golpe? Quero destacar a enorme honestidade de Alejandro, desde que ele insistiu que eu fizesse esse comentário e tirasse as fotos do intervalo. "Você tem que dizer tudo", ele me disse.

 
A repartição completa da arma de acordo com o manual

 

Conclusão

 
A arma é claramente muito boa. Ele empunha e enfrenta perfeitamente. É confortável, bonito, atraente. Ele tem um desempenho muito bom em todas as situações em que o testamos. Foi apreciado por todos que o experimentaram naquele dia. Ele deixou uma impressão muito boa em todos nós ao longo das mais de 200 fotos que tiramos neste teste. O grande porém é: quanto tempo seus materiais durarão? Quanto tempo suas peças resistirão? Esse tempo dirá. No momento, este K100 de Alejandro vai para aproximadamente 1.000 tiros e somando.

Eu o recomendaria? ABSOLUTAMENTE, dependendo do uso que você queira dar, claro, mas o que tenho visto e provado me agrada. Uma opção a ter em conta em termos de Serviço de Armas, Defesa e Cursos de Bombeiros. Talvez dê um pouco de vantagem na precisão pela mira fixa e por não ser uma arma desenhada para este tipo de tiro, mas estou convencido de que um atirador que faz bem o seu trabalho não fará nenhuma tolice com esta arma. Agradeço sempre a Alejandro Gallo, pela amizade e por colocar sua arma à minha disposição para que eu possa levar minhas impressões a vocês.

K100
GP K100 MARK6.jpg
Grand Power K100 Mark 6
ModeloSemi-automatic pistol
Lugar de origem Eslováquia
História de produção
DesignerJaroslav Kuracina
Projetado1994–1996
FabricanteGP logo.jpg Grand Power s.r.o.
Produzido2002 – presente
VariantesK100 Tactical, K100 Mark 6, K100 Mark 7, K100 Mark 12, K100 DAO, K100 QA, K100 Target, X-CALIBUR, GPC9, K100 Whisper, K102 R, K105 R, P1
Especificações
Massa740 g (26 oz)
Comprimento202,5 ​​mm (7,97 pol.)
 Comprimento do cano108 mm (4,3 pol.)
Largura40 mm (1,6 pol.)
Altura133,5 mm (5,3 pol.)

Cartucho9 × 19 mm Parabellum 9 × 18 mm Makarov
AçaoTambor giratório operado por recuo curto
Sistema de alimentaçãoPente caixa removível de 15 cartuchos
VistasLâmina dianteira fixa e entalhe traseiro ajustável de
160 mm (6,3 pol.) De raio de visão


Fonte:

Armas.es


_______________________________________________________

O Guia do Atirador!  

 

Você já pensou em ter sua CR (Certificado de Registro)?

Com o Guia do Atirador, você terá um passo a passo para solicitar seu CR junto ao Exército Brasileiro sem necessidade de contratar despachantes caros.


Clica na imagem e solicite seu manual!



_________________________________________________________


Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.