Armas não letais: um conceito com ambiguidade

Armas não letais


Armas não letais: um conceito com ambiguidade


Embora a ideia de usar armas que não matem e impeçam ações maliciosas não seja nova, o conceito de armas não letais realmente decolou na década de 1980 nos EUA e em menor grau no Reino Unido, especialmente com os problemas na Irlanda do Norte.

Consideradas por alguns como uma potencial revolução na forma como as forças armadas e policiais atuam, devido às grandes mudanças que essas novas tecnologias poderiam fazer na resolução de conflitos e nos conceitos das doutrinas militares e policiais, elas também são muitas vezes vistas como armas convencionais com capacidades simplesmente reduzidas.


Como qualquer conceito inovador, primeiro é importante definir corretamente o que significa “armas não letais”. 

Essa abordagem baseada em uma definição é ainda mais apropriada porque perguntará desde o início as questões reais que formarão a base da análise das capacidades, oportunidades e limitações das armas com menor letalidade. É interessante notar que o conceito de arma não letal é particularmente evidente em sua falta de definições universalmente reconhecidas.


Tanto na aplicação da lei quanto nas forças armadas, que atualmente são os únicos usuários de armas não letais, não há consenso real sobre uma definição universal. A única definição existente é a que a OTAN emitiu no outono de 1999 após o trabalho de um grupo de especialistas ordenado pelo Grupo Terra 3. “Armas não letais são armas explicitamente projetadas e desenvolvidas para incapacitar ou repelir pessoal, com baixa probabilidade de fatalidade ou ferimento permanente, ou desativar equipamentos, com danos ou impactos mínimos indesejados no meio ambiente.” 


Esta definição levanta uma série de questões:

– O termo “não letal” já é problemático porque carrega em si uma autoproclamação de risco zero que é do ponto de vista técnico inaceitável dada a natureza biológica aleatória dos alvos humanos, mas também, inaceitável do ponto de vista legal em caso de lesões ou mortes graves. Por outro lado, do ponto de vista puramente semântico, o problema de uma definição negativa surge plenamente aqui: ao dizer o que não fazemos, não especificamos o que estamos fazendo, deixando a porta para todos os tipos de suposições. 

No geral, a tendência atual é falar sobre “menos letalidade” ou redução da letalidade. Do ponto de vista técnico e jurídico, esses termos estão mais alinhados com a definição. Recentemente, a direção conjunta de armas não letais dos EUA tentou introduzir o conceito de Recursos de Força Intermediária IFC que incluiria, entre outros, sistemas menos letais.


– O termo arma também levanta uma série de questões. Na mente de muitos, a noção de arma está intimamente ligada à noção de destruição e letalidade. Pode-se, portanto, questionar a adequação de vincular o termo arma à noção de redução da letalidade. Em vez disso, a tendência atual é falar de um sistema que, além de sua conotação mais neutra, também inclui em si um conjunto de conceitos relacionados ligados à menor letalidade.


– A noção de baixa probabilidade de lesão grave também levanta muitas questões sobre a definição dos termos baixos ou graves. Assim, os “Bean Bags” são totalmente aceitos nos EUA como sistemas de letalidade reduzidos, enquanto estatisticamente eles matam cerca de 2% das pessoas que atingem. Com uma porcentagem tão alta de mortes, esse tipo de sistema é culturalmente inaceitável na Europa.


São apenas exemplos de questões colocadas por essa definição que mostram como o conceito de redução da letalidade envolve muitas áreas relacionadas, como aspectos éticos, políticos, socioambientais e jurídicos e que todas essas áreas devem ser levadas em consideração em uma abordagem de capacidade para a redução da letalidade. Ter um olhar para sistemas menos letais apenas do ponto de vista técnico/tecnológico é muito restrito para definir claramente a validade de uma decisão de adquiri-los e usá-los.


Há claramente uma necessidade de discutir e concordar sobre vários assuntos. Em primeiro lugar, vocabulário; um termo geral que pode descrever esta categoria de equipamentos com precisão sem gerar expectativas irreais. Em segundo lugar, o desempenho; especificações e protocolos de teste precisam ser criados para equipamentos que possam ser incluídos nesta categoria. Dado que sistemas mais “eficazes” geralmente geram um nível de risco mais alto, será necessário determinar uma relação risco/efeito aceitável. 


O que é considerado suficientemente eficaz e o que é aceitável em termos de risco certamente variará entre a aplicação da lei e os militares, e de uma cultura para outra. Pode ser necessário ter uma terminologia classificada (como para coletes à prova de balas). A terminologia atual “um tamanho se encaixa em todos” que muitas vezes é imprecisa precisa ser revista.


Fonte: 

Mira Policial

_________________________


Você já pensou em como você pode prestar atenção para 
se antecipar em situações de confronto?

Portar uma arma de fogo diariamente exige de você estar preparado para coibir situações de combate e a reagir de forma segura quando necessário.

O TREINAMENTO FUNDAMENTAL QUE PODE SALVAR SUA VIDA SOBRE COMPORTAMENTO OPERACIONAL E TÁTICAS DE COMBATE


Clica na imagem e inicie hoje o treinamento!




________________________


Postar um comentário

0 Comentários
* Por favor, não spam aqui. Todos os comentários são revisados ​​pelo administrador.
'; (function() { var dsq = document.createElement('script'); dsq.type = 'text/javascript'; dsq.async = true; dsq.src = '//' + disqus_shortname + '.disqus.com/embed.js'; (document.getElementsByTagName('head')[0] || document.getElementsByTagName('body')[0]).appendChild(dsq); })();