General Burkhard: "Nossos líderes devem lembrar que não se ganha guerras difíceis contando seu tempo"

General Thierry Burkhard, CEMAT.
 

Nossos líderes devem lembrar que não se ganha guerras difíceis contando seu tempo


Por Laurent LagneauZone Militaire Opex360, 9 de maio de 2021.


Tradução Filipe do A. Monteiro, 10 de maio de 2021.


Em 29 de janeiro, o advogado-geral do Tribunal de Justiça da União Europeia (Cour de justice de l’Union européenne, CJUE) fez eco dos argumentos apresentados pela Alemanha numa acusação relativa a um litígio entre um suboficial esloveno e os seus superiores sobre o tema da aplicação da diretiva europeia 2003/88 relativo ao tempo de trabalho.

Como um lembrete, este texto limita o tempo de trabalho a 48 horas por semana (incluindo horas extras) e impõe um descanso diário de pelo menos 11 horas consecutivas por período de 24 horas, bem como um intervalo semanal de 24 horas para cada período de trabalho de 7 dias, limitando o trabalho noturno a 8 horas.

No entanto, se a sua aplicação não representa um problema particular para o setor civil, o é para o domínio militar. Duas concepções ficam frente a frente.

Para a Alemanha, deve ser feita uma distinção entre "serviço atual" (vigilância, manutenção, etc) e "atividades específicas" (operação, treinamento). Esta é, portanto, a posição defendida pelo advogado do CJUE... A França opõe-se a esta leitura da Diretiva 2003/88, por considerar que esta põe em causa o conceito de "citação ou notificação em todos os momentos e em todos os lugares", os alicerces do estado militar, ou mesmo à “organização e funcionamento das Forças Armadas por motivos alheios aos objetivos de defesa”.

Num parecer circunstanciado que emitiu em abril, o Alto Comitê para a Avaliação da Condição Militar (Haut Comité d’évaluation de la condition militaire, HCECM) sublinhou que a aplicação desta diretiva no sentido pretendido pelo Advogado-Geral do CJUE seria suscetível de reduzir a capacidade e a eficiência operacional das forças armadas devido “ao contingente da disponibilidade dos militares e à rigidez envolvida na sua implementação”.

Assim, ambas as partes se opõem a argumentos jurídicos para apresentar seus pontos de vista. Mas será que esse debate ainda é relevante quando a hipótese de uma guerra entre potências não é mais descartada e falamos cada vez mais em combates de "alta intensidade"?

Em todo caso, o Almirante Pierre Vandier, chefe do Estado-Maior da Marinha Francesa (Chef d’état-major de la Marine nationale, CEMM), acredita que o risco de tal desfecho aumenta. Foi o que explicou em entrevista ao General Thierry Burkhard, seu homólogo do Exército (Chef d'état-major de l'armée de terre, CEMAT), nas colunas da última edição da revista Cols Bleus.


Cols Bleus n° 3096 de 7 de maio de 2021.

“Com atores cada vez mais propensos ao uso da força, aumenta o risco de um combate naval no mar, provocado intencionalmente ou por engano”, sobretudo porque “o mar se presta bem ao confronto de potências”, referiu o Almirante Vandier.

E insistir: "O mar presta-se bem ao confronto de potências. Permite a um Estado colocar, sem grandes riscos, mísseis e capacidades de inteligência a poucos quilômetros de uma costa, para enviar uma mensagem estratégica. Graças à sua imensidão e à opacidade do mundo subaquático, favorece ações discretas e inimputáveis: atacar navios mercantes em alto mar, cortar cabos submarinos... Por fim, presta-se a ações colocadas sob o limiar da guerra: abrir fogo contra uma fragata, longe dos olhos das populações civis, não eleva a tensão ao mesmo nível que cruzar uma fronteira”.

Daí a necessidade do CEMM focar na prontidão operacional das tripulações, ao mesmo tempo que se concentra na inovação e no desenvolvimento de novos esquemas táticos.

Almirante Pierre Vandier, CEMM.

Para o General Burkhard, embora seja altamente provável que o Exército ainda esteja engajado nos chamados conflitos assimétricos nos próximos anos, como é o caso atualmente no Sahel, também é possível que “vejamos o retorno de confrontos mais duros entre poderes".

Além disso, sublinhou o CEMAT, “perante concorrentes experientes, devemos preparar-nos para o desconforto operacional”. Isso envolve a adaptação do Exército a ataques de artilharia em profundidade, interferência ou mesmo ataques cibernéticos. “Esse é o ambiente no qual o programa SCORPION se encaixa”, afirma. Mas ainda não será o suficiente. “Devemos, então, reaprender como empregar dispositivos importantes, em treinamento, no exterior e em operação”, continuou o General Burkhard, para quem “em um mundo de competição permanente, nossa capacidade de ser temidos e desencorajar o adversário deve ser consolidada a cada dia".

E como o Almirante Vandier disse antes dele, o General Burkhard quer se concentrar na preparação operacional, aquela que é, além disso, uma das três prioridades do futuro ajuste da Lei de Programação Militar (Loi de programmation militaire, LPM) 2019-25. E isso para melhorar o controle tático.


“O treinamento de líderes é o ponto-chave de qualquer engajamento militar. Hoje, pela técnica operacional e bem dominada, os padrões são conhecidos e aplicados. Nosso esforço agora deve se concentrar em um melhor controle tático. O líder deve saber manobrar diante de um inimigo que tem uma intenção bem definida e que busca impor sua vontade”, explica o CEMAT. "E apenas um alto nível de exigência, controle e envolvimento aumentará nosso nível de prontidão operacional", disse ele.

E o que o debate sobre a diretiva europeia com relação ao tempo de trabalho tem a ver com tudo isso? Como diz o ditado, "treinamento duro, guerra fácil" (ou "o suor poupa sangue"). E isso leva tempo...

“Nossos líderes devem entender tudo o que está na singularidade militar. Estou pensando em particular na relação com o tempo”, sugere o General Burkhard. “Numa época em que o lazer está se tornando um bem precioso de nossa sociedade, nossos líderes devem lembrar que você não ganha guerras difíceis contando seu tempo. É preciso saber treinar à noite, fazer longos exercícios no campo”, defendeu.


No entanto, ele continuou, "para conseguir reter nossos homens, as limitações da profissão militar devem ser compensadas de forma inteligente" e o "bom líder não é apenas um técnico ou estrategista perfeito. É aquele que está sempre atento aos seus soldados e às suas famílias".

Claramente, o General Burkhard defende o princípio da subsidiariedade contra a aplicação estrita da diretiva europeia sobre o tempo de trabalho. Essa também é uma das abordagens preconizadas pelo HCECM em seu parecer sobre este texto. “A organização e o modo de funcionamento das forças armadas visam garantir uma gestão do tempo de serviço que não ponha em causa a condição militar” porque, do contrário, “seria o moral que seria afetado, a recuperação da capacidade dos militares que ficariam enfraquecidos, da lealdade que ficariam em risco, da atratividade do serviço das armas que ficaria enfraquecida e a capacidade operacional das Forças Armadas afetada”, frisou.


Fonte:

Warfareblog


Nenhum comentário