Desinformação: Psyops em altos cargos na Rússia

 

Desinformação: Psyops em altos cargos na Rússia


Por Denis Dmitriev e Alexey KovalevMeduza, 17 de maio de 2021.

Tradução Filipe do A. Monteiro, 18 de maio de 2021.

O novo conselheiro científico de Putin para o Conselho de Segurança Nacional da Rússia é um agente de inteligência militar acusado de espalhar desinformação sobre o coronavírus.

Nos últimos anos, o Conselho de Segurança Nacional da Rússia (ou Sovbez) tem se tornado cada vez mais semelhante ao Politburo da URSS (o poderoso comitê executivo do Partido Comunista Soviético). Em 11 de maio, Vladimir Putin fez mudanças significativas no Conselho de Ciência do Sovbez, o qual fornece "apoio científico-metodológico e analítico-especializado", auxilia no desenvolvimento da estratégia de segurança nacional da Rússia e documentos de planejamento estratégico e ajuda a definir prioridades, critérios e métricas. Um recém-chegado ao Conselho de Ciência é um homem chamado AG Starunsky, subcomandante da Unidade Militar 55111 da Rússia. O Meduza soube que agências de inteligência na Estônia e nos Estados Unidos suspeitam que essa pessoa esteja envolvida em campanhas de desinformação online conduzidas pelo Diretório de Inteligência Militar da Rússia (GRU).


O que é a Unidade Militar 55111?


Pouco se sabe sobre esta unidade. Ao contrário de muitas outras formações militares russas, quase não há informações públicas disponíveis sobre a 55111. Uma explicação pode ser que a unidade é relativamente nova. (Outro grupo fora de Irkutsk usou este número antes de ser dissolvido em 2012.)

As referências à Unidade 55111 não começaram a aparecer em materiais compartilhados em conferências científicas e de pesquisa até abril de 2018, quando a Universidade Técnica Estatal Bauman de Moscou sediou um evento dedicado a “questões enfrentadas pelo desenvolvimento de armas, equipamentos militares e especiais para tropas de defesa aérea e antimísseis e forças espaciais. ” Um comunicado de imprensa anunciando a conferência afirmou que representantes da Unidade Militar 55111 juntaram-se à conferência.

Em novembro de 2019, representantes da Unidade 55111 participaram de outra conferência (esta dedicada a questões voltadas para "o desenvolvimento da rádio eletrônica e o processo educacional de especialistas em treinamento de sistemas de engenharia de rádio para fins especiais") na Escola Superior de Engenharia Militar de Rádio Eletrônica em Cherepovets. O programa da conferência listou a 55111 ao lado de várias outras unidades militares já conhecidas por pertencerem ao GRU: Unidade 45807 (alojada na sede do GRU em Moscou na 76B Khoroshevskoye Shosse) e unidades 74455 e 36360 fora de Moscou em Zagoryansky (onde a 4ª companhia de pesquisa do GRU está sediada).


Quem é Alexander Starunsky?


Alexander Starunsky.
Foto do seu perfilna na rede social Odnoklassniki.

O nome de Alexander Starunsky apareceu repetidamente na mídia americana em conexão com as operações de guerra de informação da Diretoria de Inteligência Militar da Rússia. Este Starunsky e o “A. G. Starunsky”, o subcomandante da Unidade 55111, recentemente nomeado para o Conselho Científico do Sovbez é a mesma pessoa, diz uma fonte próxima ao FSB, que disse ao Meduza que Starunsky é responsável por“ operações no exterior.”

Em julho de 2020, citando fontes do governo dos EUA, The Associated Press e The New York Times relataram que Starunsky era um oficial do GRU envolvido em campanhas de desinformação, incluindo a disseminação de histórias falsas em inglês sobre o coronavírus. Jornalistas americanos vincularam Starunsky ao site inforos.ru, que supostamente responde ao GRU.

De acordo com o inforos.ru, sua "redação" está localizada em Moscou na rua Krzhizhanovskogo 13, Edifício 2. Existem outras três organizações registradas neste endereço, todas de propriedade de Alexander Gennadievich Starunsky: a organização sem fins lucrativos "Civilização da Informação do Século XXI", a organização sem fins lucrativos "Instituto Russo no Exterior" e o “Clube de Negócios da Organização de Cooperação de Xangai," que detém 20 por cento da Agência de Notícias Inforos desde abril de 2019.

Starunsky também é membro do conselho de diretores da Inforos desde 2005, de acordo com o site Runet-ID, onde os participantes e palestrantes do Fórum da Internet da Rússia estão registrados.

Starunsky participou do fórum como consultor científico para uma empresa chamada “Astra+”, que pertencia a Denis Tyurin e estava registrada no mesmo endereço da Inforos. Os registros mostram que Tyurin era o principal proprietário da Agência de Notícias Inforos, aumentando sua participação de 30 para 100 por cento antes de transferir todas as suas ações para o Clube de Negócios da Organização de Cooperação de Xangai (bem como dois outros indivíduos), que ele co-fundou com Starunsky.

Em 15 de abril de 2021, o Departamento do Tesouro dos EUA sancionou Denis Tyurin e a Inforos News Agency por ligações com o GRU. O nome de Starunsky não estava na lista.


Quais são as acusações contra Starunsky, Tyurin e a Inforos?


O New York Times foi o primeiro a conectar o nome Alexander Starunsky à unidade GRU 54777 e ao site inforos.ru. Em um artigo publicado em 28 de julho de 2020, o jornal revelou que fontes anônimas da comunidade de inteligência dos Estados Unidos acreditavam que Starunsky e Tyurin tinham “laços com o GRU” e ordens para garantir que os sites InfoRos, InfoBrics.org e OneWorld.Press “empurraram mensagens e desinformação elaboradas por oficiais de inteligência [da Rússia].”

Um ano e meio antes, em dezembro de 2018, o The Washington Post relatou ligações entre a Inforos e a Unidade 54777 do GRU (também conhecida como 72º Centro de Serviços Especiais da Rússia). De acordo com as conclusões do jornal, o centro "tem várias organizações de fachada que são financiadas por subsídios do governo como organizações de diplomacia pública, mas são secretamente administradas pelo GRU e destinadas a expatriados russos". O Washington Post disse que essas frentes incluíam o inforos.ru e algo chamado “Instituto da Diáspora Russa” (provavelmente, o Instituto Russo no Exterior, que Denis Tyurin, Alexander Starunsky e Sergey Kanavsky co-fundaram em 2005).

De acordo com jornalistas do The New York Times, Tyurin e Starunsky estão envolvidos em "um tipo de lavagem de informações, semelhante à lavagem de dinheiro", em que a desinformação criada pela GRU é espalhada primeiro em sites periféricos menos conhecidos antes de ser republicada por outros recursos ocidentais mais populares com tendências pró-russas (como globalresearch.ca). Oficiais da inteligência americana acreditam que esses sites "amplificam" a desinformação do GRU, embora não haja evidências de quaisquer conexões diretas com agências de espionagem russas.

A comunidade de inteligência da Estônia relatou descobertas semelhantes, identificando Starunsky como o ex-comandante da Unidade 54777 e Tyurin como um oficial do grupo. No relatório anual deste ano, o Serviço de Inteligência Estrangeira da Estônia descreveu a Unidade 54777 como "a divisão principal de operações psicológicas do GRU" e a vinculou a uma extensa rede de organizações e sites que espalham desinformação a partir de uma única sede em Moscou localizada na Rua Krzhizhanovskogo 13, Edifício 2.

O New York Times também encontrou cerca de 150 artigos sobre a pandemia do coronavírus publicados entre maio e julho de 2020 por sites associados ao GRU. Esses textos continham invenções conspiratórias, como artigos sugerindo que o coronavírus em si é, na verdade, uma arma biológica.

Alexander Starunsky não respondeu aos telefonemas ou mensagens de texto do Meduza. Porta-vozes do governo Putin confirmaram a nomeação do presidente do vice-comandante da Unidade Militar 55111, A. G. Starunsky, para o Conselho de Ciência do Sovbez. Quando questionados se este Starunsky é o mesmo homem sancionado pelo Tesouro dos EUA, os assessores de imprensa do Kremlin responderam: "Outras suposições no pedido [do Meduza] são baseadas em relatos, incluindo histórias da mídia, de natureza hipotética. Não comentamos tais informações.”

História de Denis Dmitriev e Alexey Kovalev com reportagem adicional de Lilia Yapparova, editada por Tatiana Lysova.


Bibliografia recomendada:


A KGB e a Desinformação Soviética: A visão de um agente interno,
Ladislav Bittman.

Desinformação: Ex-chefe de espionagem revela estratégias secretas para solapar a liberdade, atacar a religião e promover o terrorismo,
General Ion Mihai Pacepa.



Fonte:

Warfareblog


Nenhum comentário