Cartucho soviético 7,62×39 nos exércitos do mundo

 

Cartucho soviético 7,62×39 nos exércitos do mundo


O cartucho soviético de 1943 foi criado em um momento difícil para o país. Então, em um ano de guerra longe de nós, ninguém sabia ao certo quanto tempo demoraria para esmagar o inimigo. Os projetistas de armas e munições fizeram o quase impossível. E se a situação na frente de batalha tivesse se desenvolvido de forma diferente, então já em 1944 as primeiras amostras de armas pequenas poderiam começar a entrar no Exército Vermelho sob o cartucho intermediário doméstico.

Mas, felizmente, a essa altura já estava claro que o fim do “Reich milenar” não estava longe e, portanto, não era necessário interromper apressadamente e reconstruir a produção. Soldados soviéticos entraram em Berlim com PPSh e PPS e, na retaguarda, os projetistas tiveram tempo para ajustar o cartucho e as armas para ele.

Foi a partir destes trabalhos que surgiu um dos mais famosos modelos de armas ligeiras criadas no século XX, a espingarda de assalto Kalashnikov, e é a ele que o cartucho de 1943 deve a sua mais vasta geografia de distribuição.

Claro, em primeiro lugar, o exército soviético foi rearmado no AK e suas modificações. Mas então o fornecimento das próprias máquinas e das licenças para sua produção começou aos aliados da URSS no início da Guerra Fria. Um dos principais naquele momento era a China, onde na década de 50 lançou a produção de sua própria versão do AK – “Type 56”.


Vários fatores contribuíram para o uso generalizado de rifles de assalto Kalashnikov e do cartucho de 1943.

  • Em condições de rivalidade entre as duas superpotências, muitos pequenos países, especialmente as ex-colônias que conquistaram a independência, foram forçados a escolher entre os dois principais blocos político-militares. Aqueles que, por uma série de razões, não queriam se curvar ao Ocidente, na maioria das vezes só podiam cooperar com a URSS ou a China.
  • Ao criar o bloco da OTAN, os americanos no nível administrativo esmagaram vários projetos de criação de cartuchos com características próximas aos soviéticos 7,62×39 mm. O cartucho de 7,62×51 mm, adotado como munição padrão da OTAN, no entanto pertencia à munição de rifle e metralhadora.
  • A combinação bem-sucedida das características do cartucho e da metralhadora, em primeiro lugar, sua facilidade de uso e confiabilidade, tornou o AK e o cartucho de 7,62×39 mm os mais populares do mundo.


Espalhados pelo mundo

Quantos AK são agora, ninguém pode dizer com certeza. Só na década de 1950, a URSS transferiu uma licença de produção para 18 países, principalmente aliados sob o Pacto de Varsóvia. Vários outros países iniciaram a produção sem licenças.

Pequenos lotes de AK são rebitados em todo o mundo – de pequenas empresas nos Estados Unidos a oficinas de artesanato no Paquistão.  

Tudo isso levou ao fato de que, atualmente, muitos países possuem infraestrutura militar e de produção, projetada para utilizar o cartucho 7,62×39 mm. É caro para eles mudar para outra munição e, em alguns casos, os militares locais não consideram isso necessário.

Embora os cartuchos de baixo impulso mais modernos 5,56×45 mm ou 5,45×39 mm sejam superiores ao “modelo de 1943” em várias características, muitos militares ainda continuam a valorizá-lo, em primeiro lugar, por sua alta penetração e ação de frenagem.

Mesmo nos exércitos soviético e russo, depois de mudar para o AK-74, alguns lutadores em pontos críticos, por bem ou por mal, conseguiram velhos AKMs.


Venezuela

Entre os países mais famosos que continuam usando o cartucho 7,62×39 mm está o Vietnã. Poucos países na segunda metade do século 20 receberam uma experiência militar tão impressionante – primeiro a guerra de independência com a França, depois o confronto de longo prazo com os Estados Unidos, o conflito com a China, a participação na guerra civil no Camboja. E embora agora o estado da economia e da indústria vietnamita possa muito bem fazer a transição para uma nova munição, eles preferiram desenvolver uma versão modernizada do rifle de assalto AKM.


No início dos anos 60, o exército finlandês adotou o rynnäkkökivääri 62 (rifle de assalto 62), desenvolvido com base no AKM. Junto com o rifle RK 95 TP mais moderno, eles ainda são a principal arma do exército finlandês.  


E, claro, o Oriente Médio e a África continuam sendo uma das principais zonas de distribuição do cartucho de 1943. Síria, Iraque, Afeganistão – nesses países a guerra já dura vários anos, há armas em todas as casas e, na grande maioria dos casos, é AK abaixo de 7,62×39 mm. Paquistão e Índia também não os negligenciam.  


Entre as exportações, o mais famosos está o contrato com a Venezuela para a criação de uma fábrica para a produção de AK-103 lá, ou o lançamento recente de uma centésima terceira fábrica licenciada na Armênia. 


Atualmente, para aqueles que desejam atualizar seu parque de armas com câmara 7,62×39 mm, é oferecida uma versão ainda mais moderna – o fuzil de assalto AK-15.



Fonte:

Mira Policial


_______________________________________________________


Sabemos que o Custo Elevado da Munição Acaba
Dificultando em nossa Vida como Atirador Esportivo, Caçador
ou até mesmo Intrutor de Tiro.

Aprenda a Recarregar Todos os Tipos de 
Munições para Armas Curtas! 

Clica na imagem e inicie hoje o treinamento!



_______________________________________________________


Nenhum comentário