LIVRO: O Japão Rearmado

O Japão Rearmado

 

LIVRO: O Japão Rearmado


A constituição pós-guerra imposta pelos Estados Unidos ao Japão renunciou ao uso de força militar ofensiva, mas, como Sheila A. Smith mostra, uma Coréia do Norte nuclear e uma China cada vez mais assertiva fazem os japoneses repensarem esse compromisso - e sua confiança na segurança dos EUA.

“A abordagem de Tóquio ao poder militar” - restringindo seu próprio uso da força e contando com a segurança dos Estados Unidos - “está sendo testada”, escreve Sheila A. Smith, pesquisadora sênior do Conselho de Relações Exteriores para os Estudos do Japão. “A confiabilidade dos Estados Unidos, mais do que as capacidades militares de seus vizinhos, acabará por decidir o futuro da abordagem do Japão ao poder militar”.



“Dissuadir a guerra em vez de travá-la tornou-se o objetivo do poder militar do Japão”, explica Smith em seu livro, Japan Rearmed: The Politics of Military Power (O Japão Rearmado: As Políticas do Poder Militar, 2019). 

A constituição pacifista do Japão no pós-guerra renunciou ao "uso da força como meio de resolver disputas internacionais" e as forças armadas japonesas - as Forças de Autodefesa (SDF) - "continuam a se dedicar a uma missão exclusivamente defensiva". Aliar-se aos Estados Unidos “forneceu proteção estratégica ao Japão, dissuadindo seus vizinhos nucleares com o guarda-chuva nuclear da América”.

No entanto, em resposta aos apelos de Washington por uma maior participação japonesa na segurança coletiva, "as forças armadas japonesas saíram das sombras domésticas e se tornaram os holofotes internacionais, tornando-se um braço cada vez mais cosmopolita do estado japonês", escreve Smith. “Seja sob os auspícios da ONU ou liderados pelos Estados Unidos, as forças armadas do Japão ganharam experiência em uma variedade de oportunidades de coalizão internacional, incluindo manutenção da paz, reconstrução pós-conflito, socorro em desastres e operações de coalizão marítima.”


Os líderes japoneses "entendem que não é do seu interesse limitar suas forças armadas enquanto outros investem nas suas", escreve Smith, e "o crescente poder militar da China e da Coreia do Norte cria pressões nas defesas do Japão".

Com as ambições nucleares da Coreia do Norte e as atividades marítimas cada vez mais assertivas da China, o Nordeste da Ásia se tornou uma região mais contestada, onde as SDF "agora regularmente enfrentam as forças armadas em expansão de seus vizinhos".

“Enquanto os líderes políticos americanos debatem abertamente seu compromisso com as defesas aliadas, os políticos japoneses estão começando a argumentar por maiores capacidades militares”, escreve Smith, “incluindo capacidade de ataque limitada, para garantir que adversários em potencial não calculem mal a prontidão das SDF”. Smith identifica três cenários de crise que podem levar Tóquio a se mover nesta direção:

  • Um lançamento de míssil pela Coreia do Norte. Tal lançamento poderia atingir o território japonês, "revelando a incapacidade da defesa contra mísseis balísticos [dos EUA] de garantir a segurança japonesa".
  • O abandono dos EUA de seu domínio marítimo de longa data na Ásia, deixando o Japão "aberto a uma pressão chinesa ainda maior".
  • Um fracasso da aliança EUA-Japão em uma crise, em que "Washington pode ficar à margem, ou pior ainda, advogar contra os interesses japoneses".

“Os líderes japoneses hoje valorizam suas forças armadas como um instrumento de política nacional e estão muito mais dispostos a usar esse instrumento como um meio de contribuição do Japão para os desafios de segurança global do que no passado”, conclui Smith.


A autora, Sheila A. Smith, é bolsista sênior de estudos sobre o Japão no Council on Foreign Relations, um think tank especializado em política externa dos EUA e assuntos internacionais. Ela está atualmente visitando a Nova Zelândia como a Cátedra Sir Howard Kippenberger 2019 em Estudos Estratégicos na Victoria University of Wellington.

Em 1º de agosto de 2019, ela respondeu 5 perguntas sobre a situação da região em uma entrevista com o Asia Media Center sobre as difíceis relações do Japão com a Coreia do Sul e a China.


1. Você publicou recentemente um livro intitulado Japan Rearmed (O Japão Rearmado). O que esse título significa?


Para mim, o título é sobre como as pessoas ficam dizendo que o Japão está se “rearmando” ou “remilitarizando”. Isso é factualmente errado. O que as pessoas não entendem é que o Japão foi rearmado por décadas; ele completou seu processo de rearmamento na década de 1970. Claro, não mudou fundamentalmente sua doutrina - mas é um exército poderoso e profissional.

 Este não é um país que devemos pensar como uma potência militar "fraca", é uma potência militar substancial e tem sido por algum tempo. Assim, o título enfatiza que o Japão já se rearmou.



2. O que significa uma força armada japonesa forte para o Pacífico?


Acho que o grande impulso para o Japão tem sido amplamente focado no Nordeste da Ásia, porque é onde vê seus vizinhos cada vez mais pressionando militarmente as defesas japonesas. Quer sejam os norte-coreanos e seu programa nuclear - ou mais importante para o Japão, seu programa de mísseis - ou a China e seu aumento generalizado de força, esses são os dois países onde o Japão está bastante focado. Acho que o Japão olha para a Oceania e, em grande parte, vê na Austrália um bom parceiro. Do ponto de vista de Wellington, as forças armadas do Japão tornaram-se muito mais interessadas em rotas marítimas, trabalhando com parceiros para garantir que estejam abertas. Esses parceiros são, naturalmente, os Estados Unidos, mas agora também a Austrália e a Índia. Também está trabalhando muito mais estreitamente com os países da ASEAN (Association of Southeast Asian Nations/ Associação de Nações do Sudeste Asiático).


3. A Nova Zelândia teve um relacionamento complicado com a China este ano. Como são as relações entre o Japão e a China agora?


Há um livro inteiro ali (risos e aponta para uma cópia de seu livro Intimate Rivals: Japanese Domestic Politics and a Rising China/ Rivais Íntimos: Política doméstica japonesa e uma China em ascensão). Obviamente, aquele em que todos prestam atenção é a disputa por ilhas no Mar da China Oriental - lembre-se de quando o The Economist tinha na capa: "Será que a China e o Japão realmente entrarão em guerra por causa disso?" Passou para o palco global, todos estavam envolvidos - todos estavam no limite. E isso não mudou, francamente, porque mais e mais forças militares chinesas estão operando dentro e ao redor do território japonês. É uma região cada vez mais carregada.

 Depois daquele confronto de 2012, Japão e China passaram por um longo período sem ter nenhum contato. Mas em 2014, [o presidente chinês Xi Jinping] e [o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe] finalmente se encontraram à margem da APEC (Asia-Pacific Economic Cooperation/ Cooperação Econômica Ásia-Pacífico) e, desde então, estão tentando lentamente voltar. 

Xi esteve no Japão apenas para o G20 e Abe foi a Pequim no final do ano passado. Parece que Xi visitará o Japão na primavera - no G20, ele fez uma declaração pública no sentido de: “Eu entendo que as flores de cerejeira são lindas, tenho que voltar e vê-las” (risos). Mas essa seria a primeira vez que um líder chinês faria uma visita de estado ao Japão desde que Hu Jintao foi em 2008.



4. Portanto, a China está de volta aos trilhos - mas agora as coisas com a Coreia do Sul estão começando. Você pode explicar o que está acontecendo lá?


No início de julho, o governo japonês anunciou que revisaria as exportações de certos materiais usados em smartphones e produtos de tecnologia. O Japão tem o que eles chamam de "lista branca" - uma lista de todos os países que possuem sistemas robustos de controle de exportação. A Coreia do Sul está na lista branca. Mas o que eles estavam dizendo quando fizeram esse anúncio era que precisavam revisá-lo porque estavam obtendo evidências de que alguns desses materiais estavam indo parar em lugares que não deveriam.

 Infelizmente, o governo sul-coreano enlouqueceu e começou a dizer que isso era uma vingança contra os processos judiciais ocorridos no final do ano passado - os tribunais sul-coreanos basicamente decidiram que as empresas japonesas deveriam pagar indenização por trabalhos forçados durante a guerra. 

O governo japonês ficou furioso, porque disseram que já haviam feito acomodações para os trabalhos forçados em 1965, quando os dois países assinaram um tratado de paz. Mas em 1965, a Coreia não era uma democracia. Não havia voz para os cidadãos individuais que tinham queixas contra os japoneses. 

A Coreia do Sul passou por uma tremenda transformação doméstica desde então e agora tem um processo democrático robusto, incluindo um sistema judiciário muito sensível a esses tipos de queixas de guerra. Portanto, há muitas variáveis aqui que não se referem apenas à diplomacia tit-for-tat. Há uma história profunda, obviamente uma história colonial dos japoneses que ainda está, até hoje, muito entrelaçada com os debates sobre a identidade sul-coreana. E há uma reiteração consistente de alguns desses problemas.


5. Por que você acha que essas guerras históricas continuam reaparecendo?


Acho que vai além disso. Recentemente, escrevi um artigo intitulado Seoul and Tokyo: No Longer on the Same Side (Seul e Tóquio: Não mais no mesmo lado). Eu estava escrevendo para o nosso público americano - nossos formuladores de políticas tendem a ser como, "oh Deus, lá vão eles de novo, história, eles não gostam um do outro". Mas há essa falta de consciência de que Seul e Tóquio, na verdade, não têm os mesmos interesses estratégicos de longo prazo. Claro, ambos são aliados dos EUA e estão do mesmo lado no sentido de impedir a guerra na Península Coreana. Mas os sul-coreanos querem uma península coreana unificada. 

O Japão pode não se sentir confortável com essa ideia. Nós realmente não pensamos sobre isso porque está dividido há muito tempo e as alianças são todas estruturadas em torno de uma guerra potencial através da DMZ (Demilitarized Zone/ Zona Desmilitarizada). 

Mas à medida que começamos a ver as coisas se suavizando um pouco - a diplomacia assumindo um papel mais na linha de frente - não acho que Seul e Tóquio vêem a imagem de longo prazo do Nordeste Asiático da mesma maneira. As velhas maneiras de dizer "ah, coreanos e japoneses" - sim, isso definitivamente existe e é mais complicado do que nunca. 

Mas acrescente a isso esta mudança rápida no Nordeste da Ásia e eu acho que você tem uma receita para, pelo menos, repensar como tentamos gerenciar as relações da aliança e entender sua profundidade.

Bibliografia recomendada:





Por Filipe do A. MonteiroWarfare Blog, 6 de outubro de 2020.


Fonte:

Warfare Blog




Nenhum comentário