ARMA PARA DEFESA PESSOAL, QUAL A MELHOR ESCOLHA?

ARMA PARA DEFESA PESSOAL

 

ARMA PARA DEFESA PESSOAL, QUAL A MELHOR ESCOLHA?


No Brasil, apesar do restritivo “Estatuto do Desarmamento” (Lei 10.826/2003), qualquer cidadão dito "comum", que preencha alguns requisitos (abaixo listados), pode adquirir legalmente, para sua defesa.


Requisitos para aquisição de armas de fogo:

  • Ser maior de 25 anos;
  • Apresentar comprovação de idoneidade, através de Certidões das Justiças Estadual, Militar, Eleitoral e Federal, bem como de que não responde a inquéritos Policiais ou processos criminais;
  • Ser aprovado em exame psicológico próprio, aplicado por profissional credenciado pelo DPF (Departamento de Polícia Federal);
  • Ser aprovado em teste de tiro aplicado por Instrutor Credenciado pelo DPF;
  • Comprovar residência fixa;
  • Comprovar ocupação licita; 
  • Apresentar Declaração de efetiva Necessidade.



 Entretanto, na hora da compra, o cidadão acaba se deparando com o seguinte dilema: Qual a melhor arma para defesa? Revólver, pistola, espingarda ou rifles/carabinas? Normalmente na busca da resposta para esta pergunta, o comprador acaba se aconselhando com pessoas que nem sempre tem o conhecimento e a isenção necessários, emitindo em muitos casos, opiniões baseadas em “achismos” e mitos.

Neste breve artigo, vamos listar de forma isenta, alguns prós e contras de cada tipo de arma, a fim de dar a um potencial comprador subsídios para sua futura decisão de aquisição. Vamos nos ater, por enquanto, nas armas curtas, deixando a questão das espingardas e rifles/carabinas para uma próxima ocasião.

Antes, porém, é importante salientar que boa parte da resposta da pergunta em questão, está em uma autoanálise por parte do adquirente, como por exemplo:
  • Qual a finalidade da arma? (Porte? Defesa do lar? Pratica desportiva? Caça?)
  • Qual o meu tipo físico? (Mãos grandes, etc)
  • Qual o meu nível de treinamento? Tenho condições de treinar rotineiramente? 
  • Qual a minha condição financeira? Tenho condições de manter a arma e adquirir munições para treino?
 Resolvidas as questões referentes à condição do comprador, passemos às definições e vantagens/desvantagens apresentadas pelos dois tipos de armas:

______________________

Uma pequena pausa para te apresentar um de nossos produtos:
O Guia do Atirador!  



"Afinal, isso aqui não é um blog comunista." 

Você já pensou em ter sua CR (Certificado de Registro)?

Com o Guia do Atirador, você terá um passo a passo para solicitar seu CR junto ao Exército Brasileiro sem necessidade de contratar despachantes caros.


Clica na imagem e solicite seu manual!




_______________________________________________________________



REVÓLVER

Arma de repetição, de porte, de emprego individual, cujo funcionamento consiste em alinhar uma das várias câmaras de um cilindro rotativo (Tambor) com o cano e a partir daí efetuar o tiro. Criado em 1836 pelo americano Samuel Colt, sofreu poucas alterações em termos de design e funcionamento ao longo dos anos.
Revólver Taurus RT 85, modelo popular da famosa fabricante brasileira. Esta arma mantém as linhas e funcionalidades dos revolveres tradicionais.
 
Revólver de design moderno produzido na Itália pela empresa Chiappa Rhino (modelo 50 DS, calibre .357 Magnum). Note que além das linhas arrojadas, o cano é alinhado com a câmara mais baixa. Com isto, procurou-se alinhar a linha de recuo com a empunhadura, melhorando o controle da arma.
  

PISTOLA

Arma de porte, normalmente semiautomática, de emprego individual, cujo funcionamento consiste em aproveitar parte da energia dos gases gerados pela queima da pólvora para abrir a arma, extrair e ejetar o estojo, armar o mecanismo de disparo e fazer novo carregamento, retirando um cartucho do carregador (normalmente alojado dentro do punho) e introduzindo-o na câmara, situada na parte traseira do cano. Criada por volta de 1890, vem sendo aperfeiçoada ao longo dos anos, principalmente, no que se refere à segurança, facilidades de manejo e materiais empregados na produção.
 
Moderna pistola Taurus modelo 838, calibre .380 ACP. Recém lançada no mercado, com design moderno, excelente empunhadura, trilho Picatinny e comandos totalmente ambidestros, a princípio, constitui boa opção para quem quer uma arma de porte para defesa pessoal. Quanto à durabilidade e confiabilidade, só o tempo vai dizer.
 
Pistola Imbel .380 ACP GC MD1. Produzida a partir da mecânica da Colt 1911, este modelo disponível no mercado brasileiro, pela sua resistência e robustez, é boa opção para quem deseja uma arma para defesa pessoal, treino constante ou competições.



QUADRO COMPARATIVO


FUNÇÃO
PISTOLA
REVÓLVER
Poder de fogo
Neste quesito, as pistolas apresentam ampla vantagem, sendo comum atualmente usarem carregadores com capacidade acima dos 15 cartuchos. Desta forma, um atirador pode facilmente levar consigo cerca de 50 cartuchos, sendo a recarga, com um mínimo de treino, algo rápido e simples.
O grande "calo" da arma. O tambor permite pouca quantidade de munição, em média 5 a 7 cartuchos. Devido à necessidade de se retirar os estojos das câmaras antes, a recarga é demorada, o que pode ser amenizado com o uso dos chamados “Speed Loaders” ou “Jet Loaders”.
Portabilidade
Vantagem para as pistolas devido à sua espessura em geral ser mais ser mais fina e praticamente a mesma em toda a arma.
Embora não seja algo impeditivo, devido à grande variedade de modelos e tamanhos ofertados, a grosso modo, comparando com a pistola, a portabilidade do revólver é inferior devido ao volume do tambor.
Segurança
Quanto à segurança, as pistolas modernas contam com travas externas e mecanismos internos que tornam a sua operação bastante segura. Entre elas podemos citar: Segurança do gatilho, trava do percussor, trava de empunhadura, etc. É importante frisar que quanto mais dispositivos de segurança uma arma empregar, mais peças serão usadas, consequentemente aumentam também as chances de avarias.
No que se refere à segurança, o revólver não fica nada a dever às pistolas. O mecanismo simples, somado ao uso da Barra de Transferência ou Calço de Segurança, tornam a arma “quase” a prova de tiros acidentais.
OBS: Seja qual for a arma utilizada, dispositivos de segurança jamais podem ser considerados infalíveis e substitutos do “Bom Senso”.
Facilidade de manejo
A pistola, por utilizar tecnologia mais sofisticada, requer um nível de treinamento maior de seu utilizador, principalmente, no que se refere à solução de panes. Entretanto, nada que um curso básico e treinamento constante não superem com facilidade. Os modelos mais modernos já foram adaptados para uso de destros e canhotos, sendo chamados de totalmente “Ambidestros”.
De mecânica simples, o revólver neste quesito é insuperável, sendo sua operação extremamente simples. Seu manejo por canhotos requer o desenvolvimento de técnicas individuais, porém, sem grandes dificuldades.
Peso do gatilho/precisão
Em geral, as pistolas após o primeiro tiro funcionam em ação simples, ou seja, o mecanismo de disparo já se encontra armado antes do tiro, o que torna o acionamento do gatilho mais leve e por consequência dá maior precisão à arma.
Os revólveres modernos podem funcionar tanto em ação simples como dupla. Imagina-se que no seu uso em defesa, para ganhar rapidez, o tiro será executado em ação dupla, o que torna o gatilho mais pesado, resultando em perda de precisão e de velocidade de tiro.
Empunhadura
Neste aspecto, a vantagem da pistola é insuperável. As excelentes ergonomias das empunhaduras modernas tornam o tiro com a arma mais confortável e o controle do recuo bastante facilitado.
Devido ao formato curvo do cabo e a posição alta do cano em relação ao cabo da arma, no que se refere ao conforto da empunhadura e administração do recuo, o revólver é inferior às pistolas.
Confiabilidade
Devido ao número de panes que uma pistola pode apresentar (Pane seca, nega de munição, chaminé, duplo carregamento, embuchamento), ela é, sem dúvida, se comparada ao revólver, menos confiável.
Por seu funcionamento simplificado, sendo necessário em caso de pane apenas novo acionamento do gatilho, o revólver é uma arma bastante confiável.




O presente artigo, como os demais já publicados neste Blog, não tem a pretensão de esgotar o assunto. "Revolveiros" e "Pistoleiros", sempre terão argumentos para tentar provar que a sua arma é a melhor opção. A este autor cabe sugerir que, ao adquirir uma arma de fogo, procure manusear o modelo escolhido antes da compra para certificar-se que fará a escolha mais adequada. 
 
Seja qual for o modelo escolhido, procure conhecer todas as potencialidades e possíveis fraquezas da arma. Finalmente, fica o conselho: Treine muito. Quando achar que está suficientemente treinado, você vai entender que: 


"Treinar é preciso e o torna preciso".


Fonte:

Linha de Mira








Nenhum comentário