GWA AA-12. Um fuzil, uma metralhadora ou uma espingarda?

GWA AA-12. Um fuzil, uma metralhadora ou uma espingarda

 

Um fuzil, uma metralhadora ou uma espingarda?


Espingardas em calibre 12 tem um poder de impacto que já se tornou lendário. Até uma criança de 10 anos já ouviu falar sobre o estrago que um tiro de um cartucho calibre 12 pode causar. Mesmo com uma capacidade de munição que costuma ficar limitada a 7 ou 8 tiros, estas armas estão presentes no ambiente militar, policial e civil e são muito apreciadas.

Em 1972,  um engenheiro norte americano chamado Maxwell Atchisson, teve a ideia de criar um novo tipo de espingarda nessa versátil munição que permitisse juntar o poder de impacto do cartucho calibre 12 com volume de fogo de um fuzil automático e criou a primeira espingarda automática (dispara rajadas) dimensionada para disparar este cartucho.

Acima: A AA-12 é uma arma que apresenta um grande volume, natural de armas em calibre 12. O exemplar da foto foi um dos primeiros modelos da AA-12. Seu peso, também é maior que de um fuzil de assalto.

O projeto inicial tinha um sistema de operação blowback com o curso do ferrolho aumentado além da necessidade para extração do cartucho para diminuir a cadencia de tiro, assim como o recuo. O ferrolho ficava aberto durante todo o processo de disparo. Em 1980, o projeto, foi revisto e mudanças em seu sistema de funcionamento foram aplicados visando o uso mais seguro com munições mais potentes, típicas de uso militar. A partir daí o ferrolho passou a ficar fechado durante o disparo, só abrindo para ejetar o cartucho, sendo fechado posteriormente. Nesse ponto é interessante observar que o sistema de alimentação da AA-12 usa a energia do recuo do disparo absorvendo até 80% do recuo sentido pelo atirador, garantindo uma maior controlabilidade em rajadas.

Acima: A desmontagem da AA-12 é fácil de ser executada e seu mecanismo permite absorver até 80% do característico recuo do potente cartucho calibre 12.

A espingarda AA-12 pode usar um carregador destacável em forma de caixa (como a de um fuzil) com 8 cartuchos ou um carregador tipo tambor, como na submetralhadora Thompson 45, com capacidade de 20 ou 32 cartuchos. A AA-12, inicialmente, foi fabricada sem nenhum seletor de tiro. Para se controlar a quantidade de disparo era necessário controlar a velocidade do gatilho, de forma que se mantivesse o gatilho pressionado direto,  a arma dispararia 300 tiros por minuto. Porém, a versão atual da AA-12 possui um seletor de tiro que possui a posição “travado”; tiro intermitente (um tiro por vez) e automático (rajada) o que acarreta em uma chuva de chumbo sobre o alvo, se for usado um cartucho com chumbos “Buck Shot” que lança cerca de 5 projéteis esféricos de 8,4 mm em cada disparo.

Acima: O exemplar desta foto é o atual modelo da AA-12, já com os muitos melhoramentos (cerca de 200 modificações mecânicas) que tornaram esta arma extremamente confiável.

O uso de uma espingarda em calibre 12 que pode disparar em regime totalmente automático já traz, por si só, uma grande dor de cabeça para seu inimigo, agora imaginem que as novidades não acabam aqui. Na verdade, parte das novas possibilidades que a AA-12 traz é sua nova munição chamada de Frag 12 que consiste em um projétil com pequenas asas retrateis que se abrem ao sair do cano da AA-12 e que levam um projétil singular com carga explosiva que pode ser de alto explosivo, pré fragmentada ou de alto explosivo perfurante de blindagem. 

Especificamente, a versão pré fragmentada, explode ao tocar o alvo, lançando fragmentos de metal a distancias que podem chegar a 2,5 metros. Não é preciso ser um gênio para entender a implicação disto. A arma é extremamente letal, mesmo contra inimigos escondidos atrás de janelas. Essa munição, devido a sua trajetória mais tensa, permite um alcance efetivo próximo de 200 metros, embora, na pratica acredito ser improvável o uso de uma espingarda a essa distancia.


Acima: Aqui podemos ver um projétil Frag 12, explosivo que dá a AA-12 uma capacidade bastante letal, principalmente contra alvos escondidos atrás de portas e janelas.
A AA-12 é uma espingarda com foco no uso em operações em lugares apertados como no interior de uma casa ou em uma densa floresta. Algumas tropas de operações especiais norte americanas já usam este armamento em suas missões, para fins de experiência.

É interessante notar também, que a AA-12 já protagonizou alguns filmes hollywoodianos como o Predadores, onde é a arma usada pelo ator Adrien Brody e no filme Os mercenários, de Sylvester Stallone, onde o ator Terry Crews também utiliza essa poderosa espingarda.

O projeto original de Maxwell Atchisson influenciou outros engenheiros como John Trevor Jr que desenvolveu um projeto chamado USAS 12 que foi vendido para a empresa sul coreana Daewoo. A USAS-12 é bastante parecida com o AA-12 e a influencia no desenho é inegável e o desempenho é parecido também. É bem provável que esse armamento seja adquirido pelo corpo de fuzileiros navais dos Estados Unidos em breve, segundo informações que pude ler durante a concepção deste artigo.

Acima: Cena do filme Predadores onde o ator Adrien Brody usa uma AA-12.


Acima: Notem a ausência de recuo significativo durante uma rajada com a AA-12.

ABAIXO TEMOS UM VÍDEO COM A APRESENTAÇÃO DA AA-12 NO DOCUMENTÁRIO ARMAS DO FUTURO (FUTURE WEAPONS).



FICHA TÉCNICA

Tipo: Espingarda automática de combate.
Miras: Alça e massa fixa (existe a possibilidade de uso de uma mira óptica com 2X de zoom)
Peso: 5,2 Kg (vazio), 7,3 kg (carregada com 32 cartuchos)
Sistema de operação: Aproveitamento de gases blowback.
Cadência de tiro: 300 tiros por minuto.
Calibre: 12.
Comprimento Total: 0,99 m.
Comprimento do Cano: 18 polegadas.
Capacidade: Carregador de 8 cartuchos ou tambor de 20 ou 32 cartuchos.


Fonte:

Warfare






Nenhum comentário