Sub-Metralhadora FMK-3: a primeira submetralhadora nascida na Argentina

FMK-3 primeira metralhadora nascida na Argentina



FMK-3 - A primeira submetralhadora nascida na Argentina




Várias décadas atrás, a Argentina iniciou a adoção de metralhadoras ou metralhadoras (doravante PA) de diferentes países para suas forças armadas e de segurança. A grande variedade de marcas, principalmente de origem alemã e americana, juntamente com as diferenças de tamanhos como o 9x19mm e o .45 ACP, complicaram sua padronização.

______________________

Antes do texto, quero te apresentar um de nossos produtos:
O Guia do Atirador!  


"Afinal, isso aqui não é um blog comunista." 


Você já pensou em ter sua CR (Certificado de Registro)?

Com o Guia do Atirador, você terá um passo a passo para solicitar seu CR junto ao Exército Brasileiro sem necessidade de contratar despachantes caros.


Clica na imagem e solicite seu manual!





______________________

Na década de 1940, a fábrica do Centro Metalúrgico, aproveitando o fato de a aquisição do exterior desse tipo de arma por conflitos europeus ter se tornado impossível, produziu o modelo MP (modelo pesado) da marca Falcon. Era uma arma de fabricação e qualidade superlativa, semelhante a um MP-18 ou um Thompson 1921. Posteriormente, seus altos custos de produção facilitaram o nascimento do modelo LM (modelo leve), mais barato, mas com a segurança e qualidade do modelo anterior. As duas armas foram calibradas para disparar cartuchos 9x19mm e 0,45 ACP. Outras armas pioneiras dessa categoria de AP, como os MEMS e as produzidas pela HAFDASA, com seu Ballester Rigaud no comando, permaneceram para sempre na história da Argentina em relação às metralhadoras.

Visando o FMK-3.

Vista explodida básica do FMK-3.

Nasce o PA-3 DM

Nos anos 50, a FMAP DM (Fábrica de Armas Militares Domingo Matheu), pertencente à Diretoria Geral de Fabricação Militar, adquiriu o direito de produzir uma metralhadora estrangeira, especificamente uma cópia da M-3A1 americana, mais conhecida como "Grease Gun". Esta versão argentina disparou 9x19mm, diferentemente dos 0,45 ACP do modelo original. A DGFM lançou duas versões chamadas PAM 1 e PAM 2, com e sem seguro de manivela. Mais tarde, a mesma empresa decidiu No início da década de 1970, foi criado o projeto de criar uma arma diferente da clássica, usando o sistema de fechamento envolvente da maça avançada no cano e um carregador original no punho. Este carregador que havia sido projetado por Jaroslav Holecek em meados de 1946 reduziu acentuadamente o tamanho da arma.Foi popularizado graças ao CZ-23/25 e, posteriormente, também foi adotado pelo UZI israelense, pelos MACs do Ingram e pelo Star Z-84. Assim nasceu o PA-3 DM, mais tarde conhecido como FMK-3.

Seletor de modo de fogo e arma segura.

Projeto FMK-3



À primeira vista, o FMK-3 pode ser associado ao UZI. Esta submetralhadora argentina dispara o cartucho da OTAN de 9x19 mm e abriga sua revista no punho, que por sua vez carrega os sistemas de disparo e segurança. Acima da alça, uma gaveta de mecanismo aparece onde o sistema de fechamento e a mola de recuperação estão alojados. Por fim, um cano de cromo de grande dureza paira livremente na frente da roda de assentamento, típico para disparos de transporte blindado.

O FMK-3 é construído em chapa estampada com nervuras de reforço, na gaveta superior e inferior do mecanismo. Algumas outras partes da arma são unidas por soldagem a arco ou presas por rebites. Os parafusos passantes são fixados por arruelas de mola, enquanto que para segurar a arma nas duas mãos, o FMK-3 consiste em uma frente ou polainas de plástico de duas peças, mantida no lugar por dois parafusos laterais. Por outro lado, deve-se notar que seu punho estampado carece de qualquer tipo de punho adicional, uma solução rápida e econômica, mas crítica quando a arma é operada com as mãos nuas em climas extremos frios. Para aliviar essa deficiência, um punho de borracha ou pelo menos dois painéis de plástico, como uma pistola tradicional, não poderiam machucar.




Na primeira série, o FMK recebeu três versões do cabeçote: plástico fixo fixo, madeira fixa e arame dobrável. No lado esquerdo do receptor superior está a alavanca para transportar e montar o fechamento em sua posição atrasada. Esta alavanca consiste em uma tampa deslizante contra poeira que impede a entrada de elementos estranhos dentro da arma. No mesmo lado, mas na parte traseira, está o suporte da cinta traseira. O atacante, nas versões primitivas, é semelhante ao da Uzi, embora mais tarde tenha se tornado cativo e girando na roda que segura o cano na gaveta do mecanismo. Precisamente, na gaveta do mecanismo, estão os dispositivos de mira: um script protegido por um túnel e uma elevação ortopática de livreto lateralmente ajustável com posições de altura de 50 e 100 metros. Tudo protegido pelas orelhas laterais. A janela de ejeção possui dimensões discretas e está localizada à direita da gaveta ou receptor acima mencionado.

Cartucho pronto para entrar na câmara.

Carregadeiras retas com cartuchos de 25 e 40 capacidade são feitas de chapa de aço. Eles são muito robustos, o que evita problemas de alimentação. A retenção do carregador é formalizada na base da manivela por meio de uma chave ambidestra de fácil acesso. O nível geral de acabamentos de armas é bom, típico de armas militares produzidas em massa a baixo custo. Suas peças são tratadas termicamente de acordo com cada peça, o que se traduz em uma operação geral segura e eficiente. O acabamento final da arma é um revestimento de fosfato com uma tinta de alta resistência à abrasão que protege contra a oxidação.





Versões posteriores: FMK-4 e FMK-5


O termo FMK-4 refere-se à versão com estoque fixo, tanto na primeira série de madeira quanto nas últimas produções de plástico de alto impacto. Por sua vez, o FMK-5 é um modelo semi-automático que aparece nos anos 90 derivado do FMK-3. Na verdade, essas são duas armas iguais em praticamente todos os sentidos, sim, sem a possibilidade de disparar rajadas. O FMK-5 também é conhecido como "uso civil", por ter vendido muito entre usuários legítimos de tiro esportivo e "escoltas", tendo sido usado em agências de segurança privadas e tarefas similares.




No campo esportivo, na Argentina, o FMK-5 é usado em diferentes modalidades de tiro, mesmo com algumas modificações feitas por armeiros, incluindo o suporte de mira de ponto vermelho. Atualmente, e devido a novas disposições que limitam a posse de armas de corte militar, submetralhadoras e rifles de assalto semi-automáticos, torna-se difícil obter a autorização correspondente para a aquisição deste tipo de material por civis.

Cadeado FMK-3

O design da maioria das metralhadoras contemporâneas, que apresentam o carregador na frente da alça, é baseado em um cano fixo que é anexado à gaveta do mecanismo e com uma grande porcentagem do tubo fora da própria gaveta. Além disso, eles têm um fechamento que se move para frente e para trás graças à ação de uma mola. As dimensões de uma arma com essas características, como um Falcon MP, um ML ou um Thompson, foram determinadas pelo tamanho do fechamento e pela distância de recuo contra a mola de recuperação. Por esse motivo, e para compactar a arma, o FMK-3 trabalha com um fechamento aberto, sem sapato (blow-back), por simples massa de inércia e um parafuso chamado massa avançada (overhung-bolt).
Nesse sistema de parafuso de balanço, a mola de recuperação que desempenha a função da mola real é enrolada e guiada sobre o barril. Dessa maneira, a mesma mola helicoidal permanece em cativeiro e retida por uma trava adequada. Graças a esse sistema integral, o fechamento, o cano e a mola formam um grupo único quando a arma é desmontada, como se fosse uma lâmina de pistola tradicional.


Fonte:




Nenhum comentário