Poder de fogo: saiba por que forças especiais valorizam submetralhadoras

submetralhadoras russas




Por que forças especiais valorizam submetralhadoras?




Boa cadência de tiro, compacidade e fogo pesado são características típicas de submetralhadoras usadas em diversas partes do mundo.
Há exatos 80 anos, a União Soviética comissionou a submetralhadora Degtyarev PPD-40.
A PPD-40 foi o primeiro armamento leve e automático do Exército Vermelho a ser produzido em massa.
No entanto, com o passar do tempo, as submetralhadoras deram lugar aos fuzis automáticos, mas permaneceram no arsenal de polícias e forças especiais.

______________________

Antes do texto, quero te apresentar um de nossos produtos:
O Guia do Atirador!  


"Afinal, isso aqui não é um blog comunista." 


Você já pensou em ter sua CR (Certificado de Registro)?

Com o Guia do Atirador, você terá um passo a passo para solicitar seu CR junto ao Exército Brasileiro sem necessidade de contratar despachantes caros.


Clica na imagem e solicite seu manual!



______________________

Experiência soviética

A história da PPD-40 começou em meados da década de 1930 quando foi criada a PPD-34 de calibre 7,62. O armamento era destinado para oficiais de baixa e média patente.
Após a Guerra de Inverno (entre URSS e Finlândia de 1939 a 1940), o engenheiro militar soviético Vasily Degtyarev recebeu a ordem de modernizar seu armamento tendo como base uma submetralhadora finlandesa.
Submetralhadora soviética PPD-40
Submetralhadora soviética PPD-40
Como resultado surgiu a versão modernizada PPD-40, cuja aparência foi mantida da versão anterior e o recarregamento de sua munição era feito automaticamente, podendo disparar com tiros únicos e rajadas. O alcance das balas era de 300 metros.
Para evitar o superaquecimento da arma, seu cano foi feito com perfurações, enquanto sua cadência de tiro atingia 1.000 disparos por minuto.
Por não ser de grande tamanho, a arma se tornou conveniente para lutas em lugares de pouco espaço, como trincheiras e prédios, além do estrago que fazia devido a sua munição.
Contudo, o armamento também tinha seu lado negativo. Apesar da modernização, a submetralhadora era muito complicada para ser produzida em série. Mesmo assim, em dois anos mais de 100 mil unidades foram produzidas e usadas na guerra contra a Alemanha nazista.




Submetralhadora compacta

Após a Segunda Guerra Mundial, as submetralhadoras começaram a dar lugar a fuzis automáticos de grande alcance.
Contudo, a demanda por submetralhadoras ressurgiu, mas para outras finalidades.
Na década de 1970, os engenheiros soviéticos começaram a desenvolver submetralhadoras para equipar a tripulação de veículos blindados.
Submetralhadora soviética Kiparis
© SPUTNIK / A. RODIONOV
Submetralhadora soviética Kiparis
Desta forma, surgiu a Kiparis, construída na base da submetralhadora tcheca Scorpion Vz.61, diferenciando-se desta por sua construção consideravelmente aprimorada.
Além disso, a Kiparis se destacou pelo seu padrão de tiro, o que foi aumentado pela sua coronha flexível.
A arma tinha uma cadência de tiro de 850 disparos por minuto, ponto favorável para sua precisão e o padrão de tiro. Além disso, a Kiparis era suficientemente compacta e leve pesando menos de dois quilos com um cartucho de 20 balas e seu silenciador.
O armamento foi produzido em série nos anos 90. Enquanto foi bem aceita pelas Forças de Segurança da Rússia, a Kiparis não caiu no agrado das Forças Armadas, devido ao seu calibre de nove milímetros.

PP-2000

No início do milênio, foi desenvolvida a submetralhadora PP-2000 para as Forças Especiais da Rússia com a munição de 9x19 Parabellum.
Submetralhadora russa PP-2000
© SPUTNIK / SERGEI PYATAKOV
Submetralhadora russa PP-2000
Além disso, o armamento também conta com munição capaz de perfurar armaduras assim como coletes à prova de bala. Alguns detalhes foram produzidos com plástico de grande resistência.
A principal característica da arma é "não atirar mais do que devia". Além disso, durante seu disparo, a PP-2000, compacta e leve, não puxa para cima. O alcance dos disparos é de 200 metros.
A PP-2000 pode ser manuseada facilmente com uma mão só, sendo ideal para o uso de agentes armados com escudos, enquanto pode substituir a AKS-74U.

HK MP-5

Em 1959, os engenheiros alemães criaram a submetralhadora HK-54, também conhecida como HK MP-5, na base do fuzil G3.
Utilizada por policiais, a arma passou por modificações antes de ser entregue a agentes de forças especiais nos anos 70.
O armamento conta com munição 9x19 Parabellum e tem comprimento de 70 cm, enquanto seu peso, descarregado, é de quase três quilos. A arma se destaca em distâncias curtas e mostrou sua eficiência em uma operação de resgate na embaixada do Irã em Londres em 1980.
Policial finlandês com uma submetralhadora HK MP-5
© AP PHOTO / JUSSI NUKARI / LEHTIKUVA
Policial finlandês com uma submetralhadora HK MP-5
Com 800 tiros por minuto, a arma também apresenta seu lado negativo. Durante intensos disparos, a submetralhadora pode reter-se e é sensível a sujeira.

Fonte:




Nenhum comentário