NÃO, VOCÊ NÃO PODE VIR ATÉ A MINHA CASA!

NÃO, VOCÊ NÃO PODE VIR ATÉ A MINHA CASA!

Por: Julio Lobo


Este é um assunto bem polêmico. Geralmente o discurso das pessoas que sabem que você se prepara é sempre algo como “Se algo acontecer, eu irei para sua casa!”. Como reagir a isso?
A maioria dos preparadores ou sobrevivencialistas já pensaram sobre este tópico e, enquanto alguns tem ideias ou planos do que fazer, é muito difícil de ter certeza de que você será capaz de segui-lo. Parte da preparação é ter habilidades e planejar em como lidar com o lado feio da humanidade que irá bater na sua porta.
Mesmo se você tem um plano 100% sólido e não há nenhuma outra alma que sabe sobre o seu estoque de seis meses de comida, eles virão bater e pedir. Você está pronto para isso?
Para aqueles que tentaram falar com as pessoas e acordá-las para a necessidade de estocar alguma comida para usar em caso de emergência somente para ouví-las dizer “Se algo ruim acontecer, eu irei para sua casa”, você precisa dizer a eles de maneira clara e direta:

“NÃO, VOCÊ NÃO PODE IR ATÉ MINHA CASA.”

______________________

Antes do texto, quero te apresentar um de nossos produtos:
O Guia do Atirador!  


"Afinal, isso aqui não é um blog comunista." 


Você já pensou em ter sua CR (Certificado de Registro)?

Com o Guia do Atirador, você terá um passo a passo para solicitar seu CR junto ao Exército Brasileiro sem necessidade de contratar despachantes caros.


Clica na imagem e solicite seu manual!






______________________


Não importa se eles estão dizendo isso de forma brincalhona. Não importa se isso vai incomodá-los ou até mesmo ofendê-los. Eles precisam entender que você fala sério sobre o assunto e você não é uma Ong, o Governo ou os pais deles.
Vou mostrar agora uma conversa real que tive há não muito tempo atrás sobre este assunto no meu trabalho.
_________
ELE: “Bom, se tudo ficar em crise, eu vou para sua casa já que você tem tudo que eu preciso!”
EU: “Uh, não. Eu acho que não. Este não seria um bom plano da sua parte. Eu não tenho nada para você na minha casa ou em nenhum outro lugar.”
ELE: “Mas você acabou de dizer que está com um estoque de três meses de comida. Isso é o suficiente para compartilhar.” (Foi aqui que comecei a ficar nervoso. Respirei fundo e mantive minha calma)
EU: “Você está certo. Eu estou tentando montar esse estoque de três meses para DUAS pessoas. Quanto tempo você acha que ele duraria se você e suas três crianças viessem? Não apenas isso, mas ainda que eu tivesse apenas o suficiente para duas semanas, o que faz você pensar que é aceitável ir até a minha casa e esperar que eu tome conta de você e de seus filhos com os meus recursos? Recursos que eu trabalhei, economizei para conseguir.”
ELE: “Mas nós nos conhecemos por muito tempo. Você realmente rejeitaria eu e minhas crianças famintas?”
EU: “Sim, sim eu iria. Você compreende a importância de se preparar e ainda assim não faz nada. Você realmente acha que está tudo bem em vir até a minha casa, comer minha comida e consumir meus recursos sem oferecer nada em troca?” (Claro que neste ponto o sorriso já não estava mais na face dele e ele não parecia muito feliz).
ELE: “Uau… Eu acho que nunca pensei que você seria tão ganancioso.”
EU: “Ganancioso? É ser ganancioso trabalhar, economizar e planejar para conseguir manter minha família em tempos difíceis e não querer colocar meus planos em risco para ajudar alguém que não tomou conta de si mesmo?”
ELE: “Bom, não compartilhar enquanto os outros estão em necessidade…”
EU: “Ok, deixe eu te perguntar algo. Eu estou sem munição para o meu rifle .22. Você tem algumas e eu gostaria que você me desse um pouco. Você sabe que não conseguirá mais nenhuma outra munição tão cedo, mas já que eu estou em necessidades eu acho que você deveria me dar.”
ELE: *Tosse* “Bom, você deveria ter estocado mais balas como eu fiz nesse caso, eu preciso das minhas.”
EU: *Olho para ele… esperando*
ELE: “Isso é completamente diferente do que se minhas crianças estivessem famintas.”
EU: “Não, não é. Se você estocar enquanto pode, também terá suprimentos. Eu estou estocando comida durante um certo tempo para que eu possa usá-la se precisar. Não é minha responsabilidade preparar a minha família e a sua. Eu não sou o governo e também não sou nenhuma instituição de caridade. Eu trabalhei, planejei, eu tenho. Um erro de planejamento e visão de sua parte não passa esta responsabilidade, emergência ou obrigação para mim.”
ELE: *Olhando para mim, não acreditando que eu sou tão inumano e ‘ganancioso’.*
EU: “Você é uma pessoa completamente capaz de escolher fazer a mesma coisa que eu, ou você pode esperar e torcer para o governo te dar tudo o que você precisa na quantidade em que está acostumado. Por que todos nós vimos como o governo foi útil durante os desastres que já aconteceram. Em que mundo você vive para achar que isso é aceitável? Eu não sou o governo, não sou nenhuma ONG e não tenho os suprimentos que você acha que eu tenho. Por que você acha que eu deveria dar o que tenho de graça para você? Como você pode esperar que isso seria algo normal?”
ELE: “Bom, não, mas nós estamos falando em caso de uma crise ou desastre. As pessoas precisam se ajudar para passar por esses períodos.”
EU: “Sim, as pessoas tem que ajudar as outras. Mas primeiro, elas devem ajudar a si mesmas. Eu não estou dizendo que eu seria ‘aquele cara’ que rejeitaria pessoas logo de cara. Se as pessoas estão dispostas a trabalhar comigo e com o grupo, então eu estou completamente aberto para ajudar… Porém, se as pessoas esperam que eu apenas compartilhe recursos sem contribuir ou trocar por nada, elas não serão bem recebidas.”
__________
Não preciso nem dizer, mas esta pessoa está muito menos amigável comigo do que era antes. Ainda assim, considero que valeu a pena se ela tiver começado a pensar sobre o que eu disse e começar planejar suas necessidades familiares.
Agora considere a mesma cena mas envolvendo seus familiares. Aquele seu primo preguiçoso que passa mais tempo buscando meios de ganhar uma bolsa do governo do que conseguir um emprego. A tia rica que vive muito bem em sua mansão de meio milhão de reais mas que só tem uma semana de comida em casa e nada mais. Aqueles seus sobrinhos que tiram sarro de você constantemente dizendo que você é um daqueles “Preparados para o fim do mundo” enquanto se endividam apenas para comprar o mais novo Iphone.



Todas estas pessoas vão ir até a sua casa quando ficarem sem comida (ou até mesmo antes, guardando o que eles tem e querendo a sua parte também) e outros suprimentos. Como você vai lidar com isso? Não existe uma resposta perfeita aqui. A pior solução é simplesmente deixá-los entrar livremente, afinal, isso coloca a segurança do seu núcleo familiar em risco.
Mas existem algumas soluções que podem ser trabalhadas hoje! Oferecer uma lista de itens extras que seriam legais eles terem em casa já os ajudará, bem como dar de presente itens voltados para a área de preparação nas datas comemorativas. A conversa acima é uma alternativa, porém tente outras abordagens mais sutis antes de ter de confrontar alguém dessa forma mais direta.
Como você lida com essa realidade? Estaria disposto em expulsar familiares/amigos que não se prepararam quando você os avisou? Adoraria saber suas opiniões nos comentários.
Até.

Texto traduzido e complementado do site Homestead Dreamer.
Fonte:

 

Nenhum comentário