Header Ads

ad

AS 6 MAIORES AMEAÇAS AOS PORTA AVIÕES DOS ESTADOS UNIDOS.



1º - VEÍCULOS SUBMARINOS NÃO TRIPULADOS
Durante muitos anos, os submarinos representaram a ameaça mais mortífera para os porta-aviões. A vantagem dos submersíveis não tripulados consiste em que eles podem esperar durante períodos de tempo muito longos debaixo de água e se moverem quando detectem os alvos para os atacar posteriormente.
Equipados com poucas armas e capazes de operar sob condições pré-estabelecidas, os veículos submarinos não tripulados podem se tornar uma séria dor de cabeça para os porta-aviões modernos no futuro, escreve o jornalista Robert Farley na  National Interest.

Acima: O veículo autônomo submarino (UUV) Manta, é um conceito estudado pela marinha dos Estados Unidos, porém, outras nações estão estudando sistemas similares para atacar alvos no mar de forma segura  sem ser detectado como este UUV.

2º - ATAQUES CIBERNÉTICOS

Os ataques cibernéticos podem causar muitos problemas à tripulação de um porta-aviões. No mínimo, os hackers podem “cegar” o porta-aviões, o que impedirá a realização da sua missão. Além disso, os piratas informáticos são capazes de revelar a localização do navio, o que o tornará vulnerável a ataques de mísseis ou a submarinos do inimigo. Um ataque cibernético pode danificar os principais sistemas do navio, que assim ficará desarmado e indefeso.

Acima: A integração dos sistemas eletrônicos pela internet é um dos recursos para um ataque cibernético que poderia comprometer a capacidade de combate e mesmo de sobrevivência de um porta aviões em um ambiente hostil.

3º - VEÍCULOS AÉREOS NÃO TRIPULADOS
Os veículos aéreos não tripulados podem lançar projéteis a diferentes distâncias. Além disso, estes aparelhos são capazes de se aproximarem do alvo e causar danos fatais aos porta-aviões sem se preocuparem com a vida de seus pilotos. “Não há nada mais perigoso no mundo do que um robô que não tem nada a perder”, escreve o analista.


Acima: Aeronaves de combate sem piloto como o Northrop Grumman X-47B visto nessa foto são outra das ameaças que o futuro a curto prazo aguarda para os porta aviões.


4º - ARMAS HIPERSÔNICAS

A China, a Rússia e os EUA prestam muita atenção ao desenvolvimento de armas hipersônicas, que representam uma séria ameaça para porta-aviões, em muitos aspectos a ameaça é comparável com a dos mísseis balísticos. No entanto, as armas hipersônicas, em comparação com os mísseis balísticos, podem se aproximar de um alvo usando diferentes trajetórias, se tornando difícil neutralizá-las usando armas de defesa. Tal como os mísseis balísticos e de cruzeiro, as armas hipersônicas podem causar danos sérios a um porta-aviões. Isso pode arruinar sua missão, ou mesmo afundar o navio.

Acima: A ilustração acima mostra um míssil hipersônico em desenvolvimento na Rússia chamado 3M22 Zircon que promete voar a velocidades de mach 5. Atualmente, tanto a Rússia quanto a China possuem mísseis anti navio com velocidades supersônicas que praticamente impossibilitam  qualquer medida defensiva por parte do navio alvo. Imagine, então, um míssil com o dobro de velocidade!!!!

5º - BOMBARDEIO ORBITAL

Satélites equipados com barras de volfrâmio (Tungstênio) ou outros tipos de armas cinéticas são capazes de identificar e simultaneamente atacar os porta-aviões sem problemas graças às comunicações em rede.Usando energia cinética, essas armas podem realizar um ataque muito forte a um alvo de superfície e também causar o seu afundamento.

Acima: Um satélite armado com projéteis de Tungstênio poderia, atualmente, lançar estas armas que entrariam em velocidade hipersônica que lhe permitiria causar danos sérios a um porta aviões.

6º - MÍSSIL BALÍSTICO DF-21D

Embora a maioria dos entusiastas por sistemas de armas esteja acostumado a pensar no míssil balístico como um a arma superfície superfície que é empregada contra alvos estáticos, a verdade é que a tecnologia evoluiu muito em relação aos anos 50, quando os primeiros mísseis Scud A soviéticos, simplesmente não tinham precisão maior que a de uma granada de obuseiro (muitas vezes até precisão bem menor até, que tais granadas). Hoje, existem ogivas manobráveis, e justamente uma ogiva deste tipo que equipa o moderno míssil chines DF-21D, um míssil balístico anti navio (ASBM), derivado da família DF-21 de mísseis balísticos de médio alcance  (MRBM), desenvolvido especificamente para ser empregado contra navios de grande porte como um porta aviões. Embora, mesmo estando operacional à alguns anos, os dados deste míssil ainda não inspiram muita confiança devido a forte restrição de liberdade a acesso a este tipo de informação imposta pelo regime chinês, é notório que o departamento de defesa dos Estados Unidos, se preocupa bastante com esta arma. Com um alcance estimado em torno de 1450 a 1550 km, dependendo da fonte pesquisada, o DF-21D é considerado capaz de destruir um porta aviões em um único golpe. Para tanto, é presumível que a ogiva seja nuclear, embora não haja certeza sobre isto. A margem de erro, também conhecida como CEP (Circular Error Probability) é de apenas 20. Embora não seja um desempenho "cirúrgico", temos que considerar que é um míssil balístico que é lançado contra um alvo em movimento.

Acima: Os mísseis balísticos anti navio DF-21D já está operacionais e sua capacidade é levada bastante a sério pelo Pentágono. 

CONCLUSÃO
Este artigo revela como o desenvolvimento tecnológico militar tem transformado uma das mais proeminentes armas de guerra, o porta aviões, em um vulnerável e caro alvo. Algumas das armas mencionadas neste artigo não podem ser anuladas ou interceptadas com os sistemas de defesa atuais e muito provavelmente ainda vai demorar até o desenvolvimento destes sistemas de defesa poderem ser eficazes contra, por exemplo as armas hipersônicas, o bombardeio orbital, ou o míssil chines DF-21D. Assim é fácil chegar a conclusão que em um teatro operacional de alta intensidade, um super porta aviões poderá ser destruído levando a baixas humanas altíssimas e uma perda material estratosférica.

VÍDEO COM O DF-21D EM AÇÃO

Fonte:

Nenhum comentário