Header Ads

ad

Como Sobreviver na Floresta com Apenas uma Faca

A sobrevivência em um ambiente ermo pode ser possível se você tiver um pouco de conhecimento e habilidade. Na floresta, por exemplo, os perigos são muitos é possível se acidentar ou mesmo morrer de uma série de maneiras. No entanto, se você tiver conhecimento dos detalhes e alternativas possíveis nesta realidade, a mata pode até se tornar um segundo lar! Acredite: apenas com uma faca simples é possível construir suas próprias formas de sobrevivência, e transpor este obstáculo. Quer saber mais como agir? Leia no artigo abaixo.

NOTA: Antes de levar em conta qualquer uma das informações a seguir, reconheça que a temperatura também definirá suas chances de sobreviver. Se a ela chegar abaixo dos 10 graus à noite, considere dispor de pré-requisitos mais importantes para além da faca. No entanto, se a temperatura for amena, durante a noite e terrivelmente elevada durante o dia, considere se deslocar e trabalhar à noite e dormir sob uma cobertura ou abrigo durante a manhã: isso pode reduzir drasticamente as chances de você sofrer uma desidratação severa.



Passos

Imagem intitulada Survive the Wilderness With Just a Knife Step 1

1
Encontre água. As coisas mais importantes devem vir primeiro. Imagine só: você está preso em algum lugar de clima temperado e não sabe onde você está... Isto não é tão problemático assim: você sabe para onde tem que ir, no entanto. Antes de tudo, desça todas as ladeiras ou inclinações que você notar no relevo e encontre água. Isso ocorre porque a água (assim como tudo na biosfera) é mantida rigorosamente pelas leis da gravidade, e em diversos relevos, são nas reentrâncias menos elevadas que correm os rios. A água é um recurso profundamente prioritário porque você só pode sobreviver três dias sem ela. Mova-se, portanto, para o ponto mais baixo que você puder encontrar.



Imagem intitulada Survive the Wilderness With Just a Knife Step 2

2
Faça amizade com as árvores. Uma vez que você verá muitas delas, conheça sobre suas principais qualidades e diferenças.
  • Bétula: Procure por uma árvore branca, de cor semelhante ao papel. Trata-se de uma espécie importante, chamada de Bétula (Betula papyrifera). Não apenas sua casca interna é útil, mas a casca exterior pode ser usada como um recipiente à prova de água (se não tiver quaisquer buracos). Além disso, uma informação que a maioria das pessoas não sabe, é que você pode furar a árvore e obter dela uma seiva doce picante muito parecida com um xarope de açúcar. Alguns outros atributos úteis da bétula são:
    • Pode-se cozinhar sopas na casca de bétula, uma vez que ela não vai queimar quando um líquido estiver em seu interior;
    • Sua casca pode ser usada como uma corda improvisada;
    • Sua casca também é excelente para fazer fogo;
    • Um galho de bétula pode render uma boa bengala.
    • Esta espécie também é usada na produção de canoas.
  • Tília: A segunda árvore que você deve conhecer é chamada de Tília (principal fonte da madeira de tília, ou basswood, em inglês). Esta árvore é muito fácil de reconhecer. É cinza, sua casca possui uma série de nervuras, e suas folhas tem a forma de corações. Portanto não confunda esta árvore com o bordo, que tem folhas com três pontas. Esta árvore é extremamente importante, pois pode vir a ser uma fonte de recursos importantes como cordas, laços, cintas e, porque não, uma mochila. Você vai começar a ver essa árvore quando estiver se aproximando de fontes de água. Se você estiver sedento(a) o suficiente para não achar idiota sugar sua casca, isto pode ser feito também.
  • Bordo comum: A terceira e última árvore que você precisa conhecer é chamada de Bordo. Ela lhe servirá para a construção de recursos resistentes, como bengalas e proteções. Trata-se de uma madeira muito dura, com uma aparência cinza e de casca limpa. Suas folhas são como o símbolo da bandeira canadense. Agora, se você não sabe como uma bandeira canadense é, a sugestão é pegar um livro de geografia e descobrir antes de se perder na floresta.


Imagem intitulada Survive the Wilderness With Just a Knife Step 3

3
Corte algumas cascas de Tília. Se não houver água, mova-se para a base de um morro ou montanha, onde um córrego ou rio provavelmente pode correr. Este é o lugar onde este passo virá a calhar.
  • Encontre uma árvore de Tília. Como indicado, elas adoram água e locais úmidos.
  • Use a sua faca para cortar uma linha horizontal por volta de todo o tronco. Faça isso na parte inferior e cerca de quatro metros acima.
  • Agora corte uma linha reta vertical a partir da linha de cima, até a de baixo.
  • Observe que a linha do topo parece com um T, onde elas se encontram. Este T é onde você vai cavar para extrair a casca.
  • Agora puxe as duas abas de madeira da casca. Agora você deve ter um retângulo curvo de madeira de casca em suas mãos.

    Agora, a parte mais fácil:
  • Corte esta casca em tantas faixas verticais menores que puder. Idealmente, as faixas devem ter cerca de 2 cm de largura.
  • Agora vire-as para revelar uma camada brilhante e úmida. Esta é a camada que você usará como CORDA.
  • Retire cuidadosamente a casca exterior verde ao longo da fina casca de madeira. Observe que a parte verde será significativamente mais espessa do que o material fibroso que você quer para a manufatura das cordas.
  • Envolva essas tiras finas em torno de si mesmas, de modo que cada uma delas componha um trançado de corda de cerca de 3 centímetros de diâmetro.
  • Use a casca verde que sobrar para embrulhar cerca de três quartos de sua nova corda, para o incremento de sua resistência.
  • Coloque este grande emaranhado de corda em volta do seu ombro, para que não atrapalhe suas outras atividades.
  • Use o material restante de sua corda para fazer alças de ombro, um cinto, e o mais importante: um coldre para guardar sua faca.
  • Toda a casca verde de sucata, deve ficar guardada com você para outras serventias.
  • Depois de todo o trabalho, você provavelmente vai estar com sede. Tudo que você deve fazer é descer o morro e beber sua tão merecida água.


Imagem intitulada Survive the Wilderness With Just a Knife Step 4

4
Role na lama. Este não é um passo dos mais importantes, mas pode evitar alguma dor de cabeça e incômodo. Enquanto você estiver coletando água, cubra-se com uma fina camada de barro extraído do rio mesmo. Cubra cada pedaço de pele exposta ao sol. Esta camada será a sua defesa contra moscas, mosquitos e carrapatos. O melhor conselho que pode ser dado neste momento é: divirta-se, encaminhar este passo é importante e abusar de seriedade não vai ajudar sua moral, nem sua situação. Aproveite a criança interior que ainda vive em você.



Imagem intitulada Survive the Wilderness With Just a Knife Step 5

5
“Convide” alguns amigos para sua estadia na floresta. Depois de colocada sua armadura, agora é hora de espalhar algumas armadilhas. Encontre trilhas de animais menores, e espalhe laços de corda por perto, ao longo de toda fonte de água. Prenda os laços nos troncos das árvores, para sustentá-los, em altura adequada. Evite as trilhas grandes, de animais maiores. Para coelhos, guaxinins, codornas e perdizes, coloque o laço de 4 a 10 centímetros acima do chão. Como medida adicional, esfregue lama em torno do laço para disfarçar o cheiro e a aparência da madeira a qual ele é feito.



Imagem intitulada Survive the Wilderness With Just a Knife Step 6

6
Faça uma fogueira. Agora, que já está ficando tarde, sua melhor aposta é fazer uma fogueira. Muitas vezes, é mais aconselhável reunir uma grande quantidade de madeira seca antes, de tamanhos variados. Pesquise na internet (ou mesmo no Mundo das Armas) a como fazer fogo. O método do arco funciona particularmente bem com madeira de tília.
  • Antes de acender o fogo, limpe um círculo de cerca de dois metros em torno do local da fogueira. Escolha um local aberto, ou uma clareira, sem ramos de árvores que ficarão imediatamente acima do fogo. Recolha o máximo de pedras grandes para circundar a região da fogueira, evitando que o fogo se espalhe perigosamente (além de manter a fogueira sempre bem alimentada no interior do círculo). Um dos aspectos mais importantes a serem lembrados sobre o fogo é o de mantê-lo constrangido a um ponto. Portanto, uma vez que estiver acesa sua fogueira, é importante manter a chama abaixo de dois metros, para que o fogo não queime toda sua madeira antes mesmo de você se esquentar.
  • Controlar a quantidade de madeira consumida é importante. Você não vai querer voltar para a floresta para coletar mais madeira de noite, não é mesmo? Sem contar que os insetos vão carregar você para longe. Sua fina camada de lama ou barro irá bloquear algumas picadas, mas não o seu “maravilhoso” som. Em um nível psicológico, o simples fato de que eles ainda possam entrar em seus olhos e ouvidos deve mantê-lo bem abastecido com madeira, antes de mais nada.


Imagem intitulada Survive the Wilderness With Just a Knife Step 7

7
Construa um abrigo. Não precisa ser uma mansão de inverno: um abrigo realmente útil tem tamanho e estruturas médias. No entanto, se você precisa esperar pela chuva sem ficar mais molhado dentro do que fora da cabana, a coisa mais importante é - mais do que tamanho - manter seu abrigo compacto, seco e fora do chão. Nunca gaste tempo construindo pequenas cabanas ou mesmo um abrigo maior do que seu corpo. Isso é um desperdício de energia e de recursos. Lembre-se que é sempre mais fácil manter o calor capturado em um espaço menor. Use grandes aglomerações de musgo para cobrir sua pequena cabana, e cascas de árvores como telhas. Sua melhor aposta, no entanto, é a utilização de grandes quantidades de folhas de samambaias. Se você for habilidoso(a) o suficiente, é possível fazer um telhado grosso de samambaias que irá, ao mesmo tempo, evitar a chuva e equilibrar a temperatura no interior da cabaninha. Folhas secas também funcionam muito bem para impermeabilização. Faça da camada de folhas do telhado tão grossa quanto possível. Você não só pode dormir confortavelmente, mas seco e quente também.



Imagem intitulada Survive the Wilderness With Just a Knife Step 8

8
Fique consciente do fogo. Enquanto você dorme, certifique-se de estar ciente acerca de quão longe o fogo está. Para sua segurança, se você não se sentir confortável com uma fogueira acesa enquanto dorme, cave um buraco onde você irá ficar e preencha-o com brasas. Depois tape o buraco: ao colocar uma camada de terra sobre este ponto você pode deitar-se em cima dele e dormir muito confortavelmente.




Imagem intitulada Survive the Wilderness With Just a Knife Step 9

9
Procure pelo “cafe da manhã”. Quando você acordar, esteja ciente de que os insetos saem para a “caçada” durante a madrugada. Agora é a hora de ativar o seu metabolismo e se mover rapidamente, pois eles ainda podem entrar em seus olhos. Além disso, a movimentação matinal treinará seu corpo para fornecer calor através de esforço. O único problema é que uma motivação para sair por ai nestas circunstâncias é geralmente ausente. Bem, você lembra das armadilhas? Qual motivação seria melhor do que um belo “café da manhã”? Talvez uma delas lhe garanta também o almoço e o jantar! Então, para aumentar o seu calor do corpo e ativar o seu metabolismo, verifique suas armadilhas fixadas no dia anterior. Você pode ter tido sorte em algumas delas (ou alguma delas).




Imagem intitulada Survive the Wilderness With Just a Knife Step 10

10
Aumente seu estoque de cordas e tiras. Agora é mais do que importante se preparar para duas contingências:
  • A primeira delas é ilustrada pelo seguinte cenário: você não possui absolutamente nenhum recurso, está faminto e oprimido. Se este for o caso, basta ir à bétula mais próxima e cortar um triângulo de casca. Você pode comer a parte de baixo desta casca, pois é muito nutritiva. Além disso, algumas pequenas gotas de seiva açucarada pingarão da casca removida. Não se preocupe se não for muito, no entanto (ainda que você fique com fome). Surpreendentemente, um ser humano pode sobreviver com cerca de uma colher de sopa de comida por dia, durante um tempo limitado.
  • A segunda contingência, mais confortável, consiste num cenário onde você tem alguma coisa (proteica) para comer, provavelmente um coelho ou um pequeno pássaro. Há uma boa regra (e de bom senso) para comer algo na floresta:nunca coma nada que pareça não comestível. No entanto, se ainda assim a fome superar o medo, cozinhe o animal suficientemente bem (entende-se, pela sua segurança: quase queimado). Outra boa regra consiste em não manter restos de alimentos perto de seu abrigo, pois eles vão atrair predadores inconvenientes ou perigosos para perto de sua cabana. Descarte os ossos, vísceras, bicos, etc, bem longe de sua cabana.



Imagem intitulada Survive the Wilderness With Just a Knife Step 11

11
Siga a água. Agora que você sabe como reunir comida e água, é importante reconhecer outro uso para os rios. Lembre-se: a humanidade não foi construída sobre as costas dos homens, mas sobre as margens dos rios. Para encontrar algum resquício de “humanidade” na floresta ou perto dela, portanto, basta seguir o rio. Lembre-se também: nem todos os fluxos de água podem levar a civilização, infelizmente pode ser que o veio acabe em um lençol freático subterrâneo, e então você terá perdido muito de sua energia por nada. Muito porém, usando todas as recomendações mencionadas acima, uma pessoa pode viver por um período indefinido em uma floresta ou bosque. Com um pouco de perseverança você conseguirá passar por essa barra e encontrar uma cidade por perto da trilha.




Dicas

  • Como um recurso para acender o fogo, procure pelo pinheiro Abeto. As bolhas da casca de pinheiro podem ser usadas, e revelam-se muito úteis por sua seiva ser altamente inflamável.
  • Para reunir energia para o organismo, procure por plantas de soja e fontes de vitamina B, como alimentos à base de açúcar e frutose, como frutas vermelhas. Numa floresta, as frutas podem fornecer grandes quantidades de energia para um estômago vazio. Tenha muito cuidado, porém, e certifique-se de não comer a vegetação errada, pois muitas plantas são venenosas.
  • Para um band-aid natural, procurar por teias de aranha. Elas podem ser inseridas em cortes abertos ou feridas para parar a hemorragia e favorecer a cicatrização. Uma planta chamada milefólio (Achillea millefolium) também pode ser usada para segurar um sangramento, dentre outras funções.
  • Para um antisséptico natural, procure por uma colmeia abandonada. A substância cinzenta que elas usam no interior de seus ninhos é um dos maiores antissépticos da natureza.



Avisos

  • Ursos: amoras são muito comuns na natureza e dão excelentes refeições. No entanto, cuidado com ursos ao procurar por estas frutinhas, pois eles são grandes conhecedores dos lugares onde elas estão situadas. A maioria dos ursos vai recuar se você o encontrar em campo aberto. No entanto, eles também podem tomá-lo como um “competidor” natural, e vão tentar “diminuir a concorrência”. Repare sempre nos arbustos, especialmente se por algum acaso você observar um rabo de urso por perto (normalmente eles se sentam para comer). Portanto, não chegue perto dos arbustos se você ouvir sons estranhos.
    • A melhor experiência com um urso selvagem é a que nunca aconteceu. Como a maioria dos animais, eles naturalmente temem o homem. Fazer muito barulho enquanto você caminha é recomendado, (batendo metais, soprando apitos, cantando, batendo paus, etc.) e irá alertá-los quanto a sua presença e, geralmente, fazê-los irem embora. Obviamente, isso é contraproducente enquanto você estiver caçando. Note que algumas espécies de ursos são animais curiosos e irão procurar curiosamente os sons não-naturais.
    • Nunca se aproxime de um filhote de urso. Mesmo que você não veja, a “mamãe urso” fica sempre nas proximidades. Ela não vai ficar muito feliz com você. Se você vir um filhote, ande rapidamente e com firmeza, distanciando-se dele.
    • Se você usar maconha nesta região, não deixe a fumaça alcançar a floresta a menos que você esteja servindo de isca, pois os ursos são atraídos pelo cheiro. O cheiro de sangue também atrai ursos e outros predadores: portanto, queime curativos antigos ou enterre-os longe de seu abrigo.
  • Leões da montanha: os leões da montanha e os demais grandes felinos são a exceção à regra. Você não pode se fingir de morto caso um leão da montanha o veja, tão pouco você passará tranquilamente por eles. Mesmo que você conseguir se afastar, eles te seguirão, procurando por algum momento de vulnerabilidade. O melhor conselho é ser cruel e decisivo. Se esquivar geralmente não é uma boa opção. Segure o antebraço esquerdo na frente de seu pescoço e espere para que o leão morda. O animal irá buscar remover qualquer impedimento rumo à sua jugular, portanto, ele vai com certeza morder seu braço. Quando o animal fechar o maxilar sobre ele, rapidamente estoque com a faca na parte inferior de seu queixo. Por causa do trauma na cabeça, o animal pode travar a mandíbula. Mergulhe então a faca na pele em torno da boca dele, torça-a e empurre-o para longe em um movimento contínuo. Se ele não estiver morto, provavelmente ficará por conta da perda de sangue. Corra em um padrão de zig zag longe do animal ferido. Espere por meia hora e volte para se certificar de que ele está morto. Agora você tem uma reserva de alimento! Aplique mel e teia de aranha sobre a ferida e verifique periodicamente se ela deixa rastros de sangue que possam atrair outros predadores.
  • Carrapatos: Eles podem ser um dos parasitas mais psicologicamente e fisicamente desgastantes num ambiente de clima temperado. São pequenos aracnídeos, que assim como os insetos são atraídos por fontes de calor. Eles muitas vezes estão à espreita na grama a 2-3 metros de altura do solo, de onde eles vão transferir-se para algum animal desavisado (incluindo você). De lá, eles irão buscar sua cabeça ou sua virilha, as duas maiores fontes de calor no corpo humano. Uma vez posicionados, eles vão secretar um anestésico local que usam para esconder o seu movimento pela pele do hospedeiro. Neste estado eles se parecem com um pedaço de milho preso vagamente à sua carne. No entanto, quando você os tocar suas pernas vão sair da posição de descanso, e o bicho vai sair andando o quanto puder. Veja abaixo alguns métodos de remoção e principais equívocos com relação ao tratamento de carrapatos.
    • Nunca queime um carrapato quando ele estiver preso à sua pele. Muitas vezes suas entranhas vão jorrar para o interior de cavidades abertas ou feridas, que eles usam para se alimentar (isto pode causar uma doença chamada doença de Lyme, ou febre da montanha rochosa). Acredite, há formas melhores e menos dolorosas de se remover um carrapato.
    • Nunca arranque o carrapato para fora, à força, pois suas mandíbulas funcionam como âncoras presas à pele. A mesma doença poderá lhe afetar caso você os remova desta forma.
    • Método de remoção: Encontre um pinheiro. Procure por uma “árvore de natal”, pegue um pedaço de pau, estoure uma das bolhas em sua casca, e a pressione com uma das extremidades da vara: use esse método para apertar a seiva. Agora, passe a seiva sobre o carrapato generosamente (use mais seiva, se você precisar). Depois, pegue um pouco de cinzas da fogueira e jogue por cima do bichinho: ele ira se levantar, porque não conseguirá respirar. Raspe o danadinho para longe de sua pele. Se tudo o mais falhar, cubra o local com manteiga de amendoim ou gordura animal, espere, e em seguida, lave com água. Além de remover o aracnídeo, observe que a vitamina C (presente na seiva) irá deixar sua pele mais sedosa.
  • Parasitas intestinais: contra os parasitas, um remédio eficaz é um cozido de samambaia (acredite). Esta samambaia é chamada de “freio de pastagem”. Durante sua fase de broto, ela se parece com um pequeno chuchu com cabelinhos brancos. A espécie típica de freio de pastagem terá quatro centímetros de altura. Durante esta fase ela é comestível crua e cozida. Esta samambaia possui um veneno muito suave que altera as condições da flora de seu intestino, tornando a vida extremamente difícil para qualquer parasita. É muito recomendado consumí-la enquanto estiver em sua fase inicial de formação, pois esta planta ao ficar mais velha e desenvolvida, torna-se mais venenosa. Coma o cozido a cada dois dias para se livrar do parasita.
  • Hera venenosa: A Hera Venenosa (Rhus radicans), é uma vinha tóxica encontrada em grande parte da América do Norte e em algumas ilhas tropicais pelo globo. Uma outra planta bastante semelhante a ela, chamada de Carvalho Venenoso (diversilobum Toxicodendron), também pode ser encontrado no mesmo continente. Mais da metade da população dos Estados Unidos é alérgica ao óleo “urushiol”, contido nestas plantas: este óleo tóxico pode causar fortes problemas de pele, através do contato direto com as plantas; ou problemas de respiração, por intermédio sua inalação (quando as plantas são queimadas). Ao aprender a identificar a planta, você também pode evitar o contato e os possíveis problemas advindos dela.
    • Nunca queime a hera venenosa como método para se livrar dela. O óleo das folhas pode virar um vapor tóxico, e se você respirar a fumaça, poderá danificar seu sistema respiratório como um todo. Respirar virará um processo muito doloroso;
    • Nunca estoure as bolhas inflamatórias da hera, na tentativa de removê-las. Isto pode aumentar a inflamação pelo corpo e espalhá-la para outras áreas.
    • Mito: Suas roupas não irão protegê-lo da hera venenosa. O óleo urushiol pode escoar através delas, em pouco tempo, alcançando sua pele. Se você sabe que entrou em contato com a planta, não toque a área da roupa que o urushiol já se espalhou. Ao invés disso, remova a peça com um pano grosso ou casca, cobrindo sua mão, e deixe-a em água corrente por pelo menos uma hora. Depois de algum tempo o óleo será completamente extraído.
    • Método útil: Se o contato for feito, em menos de sete minutos o produto químico geralmente pode ser lavado com água e sabão antes de alcançar as células de sua pele. No entanto, trata-se de um óleo, por isso, um pouco de sabão é necessário para lavá-lo. Em outras palavras, a água não irá funcionar sozinha. No entanto, este método é altamente questionável pois o sabão também pode dissolver e espalhar o produto para outras regiões do corpo.
    • Método útil: Mergulhe seu corpo em água corrente por um período prolongado de tempo. O óleo é mais leve do que a água, portanto, a física pode lhe auxiliar neste momento, removendo o óleo de seu corpo.
    • Método útil / Mito: O álcool não vai dissolver ou remover o urushiol por si só, no entanto, pode diluí-lo o suficiente para que possa ser retirado com um material esponjoso ou pano.
    • Conclusão: o óleo urushiol não pode ser removido completamente sem os métodos acima descritos, ainda assim eles não são completamente funcionais. Portanto, o único meio que pode realmente tratá-lo de forma eficaz é a medicina moderna: um profissional com o recurso certo poderá trata-lo, removendo 100% do causador do prurido.



Fonte:


Nenhum comentário