Header Ads

ad

Armas Químicas


Arma química é um dispositivo que utiliza produtos químicos formulados para causar a morte ou lesões em seres humanos. Que podem ser classificados como armas de destruição em massa embora estão separados de armas biológicas (doenças), armas nucleares e radiológicas (que usam o decaimento radioativo de elementos). As armas químicas podem ser amplamente dispersas em gás, líquido e formas sólidas e pode facilmente afligir os outros do que os alvos intencionais. Dois exemplos modernos são o gás nervoso e o gás lacrimogêneo.
Letal, unitário, agentes e munições químicas são extremamente voláteis e constituem uma classe de armas químicas perigosas que estão sendo armazenadas por muitas nações. (Agentes unitários são eficazes por conta própria e não necessitam de mistura com outros agentes). Amplamente utilizado durante a Primeira Guerra Mundial, os efeitos do chamado gás mostarda, gás fosgênio e outros causaram cauterização de pulmão, cegueira, morte e mutilação.


Há relatos do uso de armas químicas desde a Antiguidade. Os gregos usaram flechas envenenadas em suas guerras há mais de 2 mil anos. Mas foi na Primeira Guerra Mundial que as armas químicas foram usadas em larga escala. O cientista alemão Fritz Harber, ganhador do Prêmio Nobel de Química por suas pesquisas sobre a síntese da amônia, propôs, em 1915, o uso de gás cloro contra os inimigos. Sua idéia foi posta em prática na Batalha de Ypres, na Bélgica. Ainda na Primeira Guerra Mundial, o gás mostarda foi usado pelos alemães contra os inimigos e os ingleses e franceses utilizaram gases do sangue. Estima-se que nessa guerra houve mais de 100 mil mortos vítimas de armas químicas.


Acordo com a Convenção sobre as Armas Químicas (1993), há uma juridicamente vinculativo, proibição mundial sobre a produção, o armazenamento e a utilização de armas químicas e seus precursores. Apesar, grandes estoques dos mesmos continuam a existir, geralmente justificados como apenas uma precaução contra o suposto uso por um agressor.
A Convenção de Armas Químicas (CWC) é conseqüência do Protocolo de Genebra de 1925, que proíbe o uso de gases tóxicos e métodos biológicos para fins bélicos. Vários países assinaram o acordo, antes da II Guerra Mundial, quando foram interrompidas as negociações. A discussão do protocolo só foi retomada com o fim da Guerra Fria.
Finalmente, em 1993, a CWC foi concluída, sendo adotada a partir de abril de 1997. No mês seguinte foi criada a Organização para a Proibição de Armas Químicas (Organization for the Prohibition of Chemical Weapons - OPCW), encarregada de supervisionar a destruição de arsenais químicos e assegurar a não-proliferação de armas químicas, com exceção do gás lacrimogêneo para conter revoltas e tumultos, medida considerada pacificadora.



Existem três configurações básicas em que estes agentes são armazenados. O primeiro são as munições auto-suficientes, como projéteis, cartuchos, minas e foguetes; estes podem conter propulsor e/ou componentes de explosivos. A próxima forma são munições entregues em aeronaves. Esta forma não tem um componente explosivo. Juntos, eles compõem as duas formas que são armas e estão prontos para o uso pretendido. O estoque dos Estados Unidos consistia de 39% dessas munições prontas. A terceira forma é o agente bruto alojado em contêineres de uma tonelada. O restante dos 61% do estoque foi desta forma. Considerando que esses produtos químicos existem na forma líquida à temperatura ambiente normal, o gás mostarda, H e HD é congelado em temperaturas abaixo de (12.8°C). Mistura de lewisite com mostarda destilada reduz o ponto de congelação até (-25.0°C).
Temperaturas mais altas são uma preocupação maior, porque a possibilidade de uma explosão aumenta à medida que as temperaturas sobem. Um incêndio em uma dessas instalações colocaria em risco a comunidade envolvente, bem como o pessoal nas instalações. Talvez mais à comunidade, tendo muito menos acesso aos equipamentos de proteção e treinamento especializado. O Laboratório Nacional de Oak Ridge realizou um estudo para avaliar as capacidades e os custos para proteger as populações civis durante as emergências relacionadas, a eficácia da experiencia e abrigos no local.


Algumas armas químicas:


Gás mostarda 

Este gás é causador de graves irritações na pele e nos olhos, comumente conhecido como agente pustulento. É incolor no estado puro, no entanto, ele é encontrado geralmente, na sua forma impura, sendo assim, possui uma coloração que varia de amarelo a marrom, possuindo um odor característico de alho ou mostarda.
Ele pode infiltrar-se nos olhos, nas mucosas, ou na pele, isso tanto na sua forma de vapor ou mesmo liquefeito. Sua fórmula estrutural está representada acima, sendo um composto químico orgânico também chamado de mostarda sulfúrica, sua fórmula molecular é C4H8Cl2S. O gás mostarda foi utilizado na primeira guerra mundial, sendo também utilizado nas 'lutas' militares na Etiópia em 1936. Ele também foi muito produzido no período da segunda guerra mundial e também estocado desde aquela época, sendo encontrados estoques nos EUA.

Propriedades físicas:

  • ponto de fusão: -217°C;
  • ponto de ebulição: -13°C;
  • massa molar: 159,07 ;
O contato com o gás causa lesões no trato respiratório, na pele e nos olhos, como já dito anteriormente, no entanto, não se restringe a somente isso, os danos causados pelo gás mostarda, ele também causa supressão da medula óssea e lesão neurológica e gastrointestinal, provocando também mudanças celulares em poucos minutos de contato. 
A pessoa contaminada chega a apresentar dores e efeitos clínicos em torno de 24 horas após o contato.
Não existe antídoto para a exposição ao gás mostarda. 
O melhor procedimento a se tomar caso haja contaminação é a afastamento do agente causador, da área exposta ao contato com o composto, isso fará as conseqüências do contato serem reduzidas.


Sarin

Sarin é um composto utilizado como arma química, sendo um composto altamente tóxico, tanto em sua forma líquida como na forma gasosa, que ataca o sistema nervoso central.

Sarin possui a fórmula molecular C4H10FO2P.

Ele é um composto orgânico do tipo organo fosforado, sendo usado desde a segunda guerra mundial, ele age de maneira rápida e é muito tóxico, sendo que ele sofre variação com o pH do meio, ou seja, a sua meia vida, à temperatura de 25°C sofre queda com a diminuição ou com a elevação do pH, sendo ele, atuante na sua forma mais 'potente' com pH do meio entre 2 e 8, aproximadamente, sendo assim, ele age bem em pH ácido. A sua meia vida é contada em horas. O ácido fosfórico age como catalisador, sendo a temperatura também ajudante na velocidade de hidrólise do composto.
O Sarin pode ser utilizado em mísseis, por exemplo, sendo colocado em mistura com outros compostos, entre eles o isopropanol, o isopropalamina com ácido fluorídrico, geralmente.
Ele também pode ser utilizado em "sprays" , como gás ou líquido. Este último pode ser adicionado à comidas, de forma a contaminar quem a consumir.
O Sarin pode matar em questão de minutos, após a exposição. A substância penetra no corpo por inalação, ingestão, ou também pelos olhos, ou pela pele.
Os sintomas variam, no entanto, os mais comuns são olhos lacrimejantes e salivação, ocorre também a contração das pupilas, também ocorre sudorese(suor excessivo), bem como dificuldade de respirar, visão turva, náusea, vômito espasmos e dor de cabeça.
A morte se dá pelo ataque à musculatura, ou seja, no momento em que ocorre o ataque à musculatura corporal, ocorre a incapacidade da sustentação de funções como a respiração, pois ocorre a paralisia dos músculos.
Caso uma pessoa seja exposta à uma concentração, por exemplo, de 200 mg de sarin/m³, pode ocorre o falecimento em poucos minutos.
O efeito tóxico do composto depende da concentração de ar inalado, ou seja, da quantidade de vapor de sarin presente no ambiente.
A medida a ser tomada mais imediatamente é a retirada das roupas e lavagem do local contaminado, sendo que existe antídoto para o Sarin, no entanto é de difícil acesso, apenas poucas localidades possuem os antídoto.

Propriedades físicas:

  • ponto de fusão: -56°C
  • ponto de ebulição: 147°C
  • densidade: 1,089

E outros como Agente laranjaGás cloroGás cianídrico e Napalm.


Características das armas químicas

 A utilização de uma arma química visa vantagens táticas imediatas aliadas a uma estratégia a longo prazo. É usada basicamente com os intuitos de:
  • Interditar o terreno.
  • Impedir o reagrupamento das forças inimigas.
  • Permitir o ataque a uma posição fechada.
  • Estender o alcance a grandes áreas, uma vez que devido à sua mobilidade, o gás toxico pode formar nuvens 5 a 25 vezes mais ampla do que a área de aplicação.



Pessoas vítimas de armas químicas na Síria



Nós aprendemos que as armas químicas tem um grandioso poder de destruição, como o Gás mostarda que  causa queimaduras e resseca os olhos e os pulmões, o Cianido de Hidrogênio  que entra nos pulmões e impede o tráfego de oxigênio  das  corrente sanguíneas e vários outros químicos que prejudicam muito as pessoas.
As armas químicas transportam substâncias tóxicas irritantes que atacam a orofaringe (uma das divisões da faringe), pele e tecidos de  animas e vegetais. A infra-estrutura de uma cidade, pode ser prejudicada e possivelmente haverá contaminação do solo e do lençol freático. E outra informação que tiramos no andamento do trabalho foi que, dependendo da arma química ela pode formar nuvens de 5 a 25 vezes mais ampla do que a área de aplicação.




FONTES:



Nenhum comentário